Instagram

É comum você sair do trabalho para curtir sua vida pessoal, mas chegando em casa você fica naquela expectativa de que vai receber uma mensagem por e-mail ou WhatsApp do seu chefe ou da sua equipe? Isso te deixa aflito? Te faz esquecer dos pequenos prazeres do descanso do lar e trazer para casa o ambiente de trabalho?

Isso é muito comum nesses "novos tempos". De acordo com um estudo do Instituto Tecnológico da Universidade de Virgínia (Virginia Tech), nos Estados Unidos, feito com 200 pessoas, a simples expectativa de checar mensagens do trabalho no horário de folga faz mal para a saúde e o bem-estar, ou seja, para sofrer os efeitos negativos, você nem precisa efetivamente entrar no e-mail ou no WhatsApp, basta apenas se preocupar com isso.

"A mera expectativa de estar disponível de forma constante significa que as capacidades cognitivas estão sempre no modo 'on'", afirma o estudo, conduzido por William Becker, professor da Virginia Tech. "Isso ameaça a realização de metas da vida pessoal e provoca respostas afetivas negativas, como sentimentos de preocupação, tensão e falta de controle".

A tecnologia trouxe para a vida das pessoas algo como um "trabalho sem fronteiras" o que prejudica a vida pessoal.

"A explosão da internet alimentou a proliferação de dispositivos eletrônicos, criando uma sociedade conectada o tempo todo. Isso intensificou em muitas organizações as expectativas quanto à disponibilidade dos funcionários após o expediente. Como resultado, as fronteiras entre o trabalho e a vida fora do trabalho ficaram pouco definidas", diz o estudo.

Quando um funcionário está em seu momento de descanso e se preocupa com checar as mensagens do trabalho, ele acaba dando menos atenção para as suas relações pessoais. Além disso, ele precisa ficar trocando de papéis o tempo todo - ora membro da família, ora funcionário -, o que pode gerar conflitos emocionais.

A pessoa que está preocupada com o trabalho fora do expediente pode ficar distante, mexendo no celular o tempo todo, sem se engajar nas atividades de sua vida pessoal.

Além disso, "o indivíduo pode acabar ficando preso nos seus esquemas de trabalho, que podem não ser adequados para desempenhar seus papéis em casa. Por exemplo, se uma pessoa tem um trabalho em que precisa ter uma posição dominante e distante psicologicamente, isso pode dificultar que desempenhe um papel de um parceiro cuidadoso e aberto", diz o estudo.

Por fim, ainda segundo a pesquisa, a sensação de ansiedade sentida pelo funcionário que precisa ficar "on" o tempo todo pode ser "erroneamente atribuída a quem faz parte do seu convívio, provocando um aumento de conflitos e colocando em perigo os relacionamentos", afirma a pesquisa.

Fonte