Instagram

A quarta-feira de cinzas é o dia do ano com maior ausência de funcionários, superando a véspera de Ano Novo.

Uma pesquisa feita com 30 mil colaboradores de uma empresa de tecnologia e RH (Pontomais) mostrou que 50% das pessoas que deveriam voltar à labuta não vão trabalhar! Para se ter uma ideia, a véspera de Ano Novo tem falta de 37% dos funcionários, ambas as situações de funcionário que não tem folgas marcadas.

Fonte

Geral
Matheus Trajano de Gouveia

Matheus Trajano de Gouveia

Nem de perto. Ao contrário do que os chefes e os professores costumam argumentar, o Brasil é um dos países que têm menor número de feriados. Dos 52 países listados, 43 ficam acima de nós.  Segue a lista dos nossos feriados nacionais oficiais:

1º de janeiro (Confraternização Universal)

29 de março (Paixão de Cristo)

21 de abril (Tiradentes)

1º de maio (Dia Mundial do Trabalho)

7 de setembro (Independência do Brasil)

12 de outubro (Nossa Senhora Aparecida)

2 de novembro (Finados)

15 de novembro (Proclamação da República)

25 de dezembro (Natal)

Desconsiderando os pontos facultativos (Carnaval é facultativo), emendas, feriados dominicais e regionais, esta é a lista:

#partiuChina

fonte

Instagram

Segundo um levantamento da Deloitte Greenhouse Experience, excesso de trabalho não é a maior causa de estresse no ambiente profissional, a situação mais estressante é descobrir que cometeu um erro.

A divisão de pesquisa da Deloitte, detectou fatores que podem levar à perturbação emocional, como constatação de erros, conversas difíceis e exercício de função que não se encaixa no perfil da pessoa.

O estudo global consultou mais de 23 mil profissionais de 1.300 organizações, em 120 países. A maioria dos respondentes (57%) disse sentir estressado de vez em quando e 25% afirmou sentir-se assim com frequência.

A situação considerada mais estressante pelos participantes foi descobrir que cometeu erro (82%). Carga de trabalho excessiva foi apontada por 52% dos entrevistados — mesma quantidade de pessoas citou momentos de conflito, como ser repreendido ou por ter que comunicar uma mensagem difícil para outras pessoas.

Fonte