Instagram

O estudo 'Phone Life Balance' (Motorola), feita em parceria com a psicóloga e especialista em comportamento mente-cérebro Nancy Etcoff, realizado todo ano para investigar o impacto dos dispositivos móveis na vida de seus usuários, revelou que, 41,52% dos participantes assumem serem dependentes de smartphone.

Ainda segundo o estudo, 65% deles confessam entrar em pânico ao pensar em ficar sem o aparelho, 27,7% dos participantes disseram que deixam o celular ao alcance o dia todo e 36,8% deixam o aparelho com a tela virada para cima na mesa quando estão jantando.

Além disso, 30,2% disseram levar o smartphone para o banheiro e 76% contaram que conferem o celular antes de levantar da cama.

A pesquisa fez 10 perguntas que resultaram em 5 diferentes perfis de usuários: telesapien, teleconsciente, teledependente, teléfilo e telefanático.

Teledependente: As perguntas foram respondidas por 20 mil brasileiros, mostrando que 41,52% deles são classificados como teledependentes, ou seja, nunca estão sem utilizar o aparelho. Entre estes participantes, 65% confessam entrar em pânico só de pensar em perder o smartphone; 29% dizem que, quando estão sem celular, ficam pensando na próxima vez em que estarão com ele.

Teleconsciente e telesapien: Já 32% dos participantes do estudo entraram na categoria teleconsciente, aqueles que conseguem equilibrar o uso dos dispositivos, e somente 5,56% estão classificados no perfil telesapien, que utilizam um celular apenas para atividades básicas, como fazer ligações e conferir o horário.

Teléfilo e telefanático: No perfil teléfilo entraram 18,98% dos participantes, aqueles que não conseguem ficar sem o aparelho e ainda sentem ansiedade quando o aparelho está com menos de 10% de bateria. Já no perfil telefanáticos 1,5% dos respondentes que nunca estão sem smartphone e se sentem estressados e vulneráveis sem ele.

Fonte

Instagram

Prato da janta na mão, TV ligada, ou celular passando séries ou videos no YouTube. Se você aprecia jantar enquanto assiste televisão ou fica ou fica no celular você pode engordar, é o que sugere a equipe de pesquisadores da Universidade de Birmingham, no Reino Unido. Essa prática pode tornar as pessoas propensas a sentir necessidade de comer mais lanches e petiscos após a refeição. Quem nunca fez uma pipoca ou abriu um salgadinho depois da janta?

O estudo feito com 39 indivíduos concluiu que pessoas que estão distraídas durante o jantar assistindo à TV ou mexendo no smartphone vão comer muito mais pela noite do que aquelas que prestaram atenção nos alimentos ingeridos. Ferrou! Isso ocorre porque a memória desempenha um papel fundamental no apetite e, quando estamos distraídos, o corpo não recebe a comida da mesma maneira.

Na pesquisa, os participantes com pesos considerados normais foram colocados em três diferentes condições para avaliar o quanto a distração pode prejudicar a saúde e fazer a pessoa engordar. A diferença significativa entre os grupos após algumas semanas fez os cientistas concluírem que comer enquanto executa outras atividades influencia a pessoa a “beliscar” alimentos e ajuda a ganhar peso.

Fonte