Geral
Anônimo

Anônimo

Por causa da relação de dominância/recessividade do nosso DNA.

Por mais que pareça oriental, a modelo e escritora @Natasha_Culzac, é uma negra caribenha sem herança genética oriental.

Como já explicamos neste post, as sardas e os cabelos cor de fogo são resultado de uma mutação genética no receptor Melanocortina-1 (MC1R), responsável pela produção de melanina, que por sua vez, define a cor de nossa pele, cabelo, olhos, etc.

Esta anomalia faz com que indivíduo produza menos eumelanina (de cor preta e marrom) e mais feomelanina (de cor vermelha ou alaranjada), dando origem ao que é chamado "rutilismo".

Para que o rutilismo se manifeste, é preciso que pelo menos um dos pais tenha a anomalia, e que o outro possua genes recessivos.

É extremamente raro que existam ruivos e loiros dos olhos puxadinhos porque, para que essas características sejam representadas na aparência, ambos os pais precisam ter no código genético os tais genes, coisa que os japoneses, coreanos, chineses, etc, não têm, se comparados aos caucasianos (grupo ao qual os ruivos e loiros pertencem).

Colaborou: Gabriela Castro


Curiosidade Oculta

Muitas pessoas por aí (inclusive asiáticas e negras) podem ter o rutilismo em seu DNA, mas ele não se manifesta nelas por conta das outras características dominantes. Isso explica porque alguns pais têm filhos ruivos, mesmo não tendo os cabelos de fogo.

Se vc encontrou a curiosidade oculta, não diga a ninguém, apenas vá aos comentários e poste: “Recessivo ou não recessivo, eis a questão”.

Geral
Vinícios Simmões

Vinícios Simmões

Tudo começou na Santa inquisição, onde além de bruxas, magos, ruivos, homossexuais, judeus e muçulmanos, os gatos também eram considerados coisa do tinhoso. 

O Papa Gregório IX, que fundou a Santa Inquisição em 1232, afirmava na bula Vox in Roma que o diabólico gato preto, “cor do mal e da vergonha”, tinha vindo ao mundo para a infelicidade dos homens. Como os druidas e bruxos viviam isolados e rodeados por muitos gatos, a Igreja começou a associar os gatos às trevas, devido aos seus hábitos noturnos, e afirmava terem parte com o demônio, principalmente os de cor preta. E a única forma de acabar com os gatos pretos era acabar com TODOS os gatos. Tadinhos! ;-(


Por mais que eles tentassem exterminar os gatinhos, eles continuavam rondando por ali, já que os amantes dos felinos criavam gatos em segredo, impedindo que a espécie desaparecesse. Foi assim que os inquisidores tiveram ainda mais "certeza" de que miau era canto do demônio e que por isso, teriam 7 vidas.
Clique no lugar errado e volte à primeira dica (...)
Mesmo com muitos protetores, foi inevitável que a quantidade de gatos diminuísse drasticamente. E de acordo com muitos historiadores, este fato está diretamente ligado à maior pandemia de Peste Bulbônica da história. Também conhecida como Peste Negra, a Peste Bulbônica dizimou mais de um terço da população européia entre os anos 1347 e 1350. Ela era causada pela bactéria Yersinia pestis, residente no pulga Xenopsylla cheopis que por sua vez habitava no rato preto indiano Rattus rattus.
Clique no lugar certo e chegue à próxima dica (...)
A recuperação na população de gatos teria sido decisiva para o controle da peste, mas há estudiosos que discordem do fato. Uma outra versão é que os gatos teriam 7 ou 9 vidas em decorrência da habilidade que esses felinos possuem para escapar de situações que envolvam risco à sua vida.
Não seja óbvio.