Geral
10 palavras que surgiram de expressões sexuais

Ao longo dos séculos, diversos vocábulos tinham conotação obscena ou sexual, mas perderam seu sentido com o passar do tempo. Conheça alguns desses exemplos, que hoje não passam de palavras incapazes de chocar ou ofender alguém.

Bacana
Hoje, a palavra é aplicada para se referir a alguém agradável, simpático, ou com certo status social. Já a origem sexual do termo vem da Roma Antiga, onde era realizado o bacanal, festa libertina em honra a Baco, deus do vinho. Bacana, portanto, eram as mulheres que faziam parte dessas orgias

Aporrinhar
Desde o fim do século 19, a palavra consta no dicionário como importunar. Mas sua origem vem da palavra porra, vulgarmente associada com esperma e também inspirou os vocábulos porrada, porra-louca e esporro. Até o século XV, porra significava “porrete ou arma cuja ponta é redonda”

Pentelhar
O mesmo que importunar, aborrecer. No século 18, essa palavra era vulgarmente associada a pentear os pelos púbicos dos órgãos sexuais, os pentelhos. Embora, no Brasil, o termo perdeu o caráter ofensivo, em Portugal ainda é considerado um palavrão sujeito à censura

Virilha
Se no século presente ela corresponde à área interna da junção das coxas ao tronco, na Idade Média, representava a região genital masculina. O termo vem do latim virilia, que se refere a vir, viri (homem). Porém, com o passar dos séculos, a palavra também diz respeito às mulheres.

Recuar
Você já deve ter ouvido essa palavra em filmes de guerra ou aventura e que quer dizer andar para trás, retroceder diante de um inimigo ou uma ameaça. Porém, o termo vem do latim "reculare", do século 16, e significa literalmente fazer andar com o ânus ("culu", em latim) para trás

Cocotinha
A partir dos anos 1970, essa gíria ganhou popularidade e as jovens que eram chamadas assim sabiam que eram bonitas, delicadas e chamavam a atenção.. Porém, no século 19, o termo francês "cocotte" era empregado para indicar prostitutas.

Esculhambar
Equivale a criticar severamente, desmoralizar alguém. São duas as origens prováveis do termo. A primeira está relacionada aos testículos - seria ferir os testículos de tanto “cavalgar”. Já a segunda versão, bem vulgar e oriunda de ânus, propõe arrebentar as nádegas a pancadas.

Babaca
Esse termo cabe a alguém bobo ou tolo. Não há consenso sobre a origem da palavra: alguns linguistas acreditam vem de babaquara (do tupi, aquele que nada sabe). Porém, babaca era usado pelos escravos africanos como sinônimo chulo de vagina. Babaquice seria “o gosto de focinhar a babaca”.

Loba
Na Roma Antiga, a palavra designava prostitutas. Tanto que lupanar, no dicionário português, significa bordel. Segundo o escritor Corrado Augias, em seu livro Os Segredos de Roma, é provável que os gêmeos Rômulo e Remo, tenham sido criados por uma prostituta e não por uma fêmea de lobo.

Coitado
Sinônimo de uma pessoa digna de pena, coitado, por décadas, foi erroneamente confundido como alguém submetido ao coito (ato sexual). A palavra vem do verbo arcaico coitar, que é o mesmo que desgraçar. A confusão teria sido feita por antigos, que associavam coito à dor e aflição

Fonte

Sexo
Daniel Alves

Daniel Alves

Favor só ler esse post se vc tiver mais de 18 anos, pois contém palavras inapropriadas.

Os palavrões existem em todas as culturas, em todos os tempos, por serem as palavras que melhor conseguem exprimir emoções de raiva, ofensa ou (por que não) humor. Eles são controlados pelo "porão" do cérebro - o sistema límbico, responsável pela nossa parte mais primitiva (por isso que os palavrões sempre se referem à base da existência: sexo e excrementos), e influenciam desde sempre no nosso relacionamento social. Eles mudam de tempos em tempos, dependendo da polêmica da época. Na peça Romeu e Julieta, "que a peste invada a casa de ambos" é usado como ofensa. Hoje não surtiria muito efeito.

Fizemos um vídeo para falar a origem de alguns dos palavrões mais usados atualmente. Veja:

Por fim - sejam educados e não esqueçam das dicas finais do vídeo.

Geral
Anônimo

Anônimo

É a abreviação to termo em latim et cetera, que significa "e outras coisas"/"e o restante". 

Este termo não foi traduzido, mantendo sua fonética muito próxima à original. Ou seja, quem disse/achou que não falava nada em latim, se enganou.

Em tempo: Se tratando de uma abreviatura, o ponto no final sempre é necessário.
Em tempo 2: O termo et  significa "e", logo, dizer "e etc" é uma redundância.