Geral
Mayra Santos

Mayra Santos

Devido ao modo em que o creme dental é inserido no tubo.

Após utilizarem misturas com sal de cozinha, pimenta, folhas de menta e até fórmulas baseadas em urina, a indústria dos cremes dentais evoluiu ao ponto de agora podermos comprar pastas de dente estilosas, coloridas, com listras e até com sabores diferentes.

No caso das pastas brancas com listras coloridas, o segredo está na forma em que ela é inserida no tubo. Os cremes de cada cor se encontram em divisórias separadas e de tamanhos diferentes dentro do aplicador, sendo a do creme branco maior que as dos coloridos. O tubo então é preenchido com todas as cores sendo injetadas ao mesmo tempo, começando pela base do tubo e terminando na região da tampa.

Outro fator importante para que tudo não vire uma mistureba lá dentro é a composição química diferente de cada creme. O creme branco é levemente diferente dos coloridos, e isso aliado ao estado e viscosidade da pasta e a falta de espaços vazios para homogeneização, garantem que uma cor não invada a outra.

Dessa forma, o tubo mesmo quando é dobrado e amassado (dentro de uma certa tolerância e bom senso) permite que as cores não se misturem lá dentro, graças à engenharia envolvida na sua fabricação.

Geral
Brasileiros são campeões mundiais em banho, mas metade não lava as mãos

Herança indígena, o hábito de tomar banho todos os dias faz dos brasileiros o povo campeão do mundo nesse quesito: são, em média, 19,8 banhos por semana. Para comparação, os russos, segundos colocados no ranking, tomam 8,4 banhos por semana. No fim da lista de 10 países pesquisados, estão China e Índia, com 4,9 e 3 banhos por semana, respectivamente. Porém, na limpeza das mãos – mais importante que lavar o corpo - estamos longe de ser um bom exemplo, ficando atrás de italianos, franceses, russos e britânicos.

Só 11% lavam as mãos antes de alimentar as crianças; 49% limpam as mãos depois de usar o banheiro; 46% antes de preparar a comida e 21% depois de tocar em animais. Não lavar as mãos pode causar infecções - a mão está em contato com olhos, nariz e boca, áreas sensíveis a ataques de vírus e bactérias. Só para se ter uma ideia da importância de lavar as mãos, na epidemia de gripe por vírus H1N1, quando se reforçou este hábito, caiu o número de casos de diarreia, conjuntivite e infecção hospitalar.

Outras doenças como hepatite A, gripes, conjuntivites, rotavírus e parasitoses também podem ser transmitidas desse modo. Uma boa medida é colocar pontos com álcool gel em áreas com grande fluxo de público. Isso reduz o uso de antibióticos. Deve-se evitar a água quente e, se for necessário, aplicar hidratante após o banho. Os médicos não indicam sabonete bactericida no banho porque isso pode deixar a pele vulnerável aos germes. No caso das mãos, os sabonetes bactericidas têm benefícios porque matam micro-organismos nocivos.

Fonte