Geral
Vinícios Simmões

Vinícios Simmões

Tudo começou na Santa inquisição, onde além de bruxas, magos, ruivos, homossexuais, judeus e muçulmanos, os gatos também eram considerados coisa do tinhoso. 

O Papa Gregório IX, que fundou a Santa Inquisição em 1232, afirmava na bula Vox in Roma que o diabólico gato preto, “cor do mal e da vergonha”, tinha vindo ao mundo para a infelicidade dos homens. Como os druidas e bruxos viviam isolados e rodeados por muitos gatos, a Igreja começou a associar os gatos às trevas, devido aos seus hábitos noturnos, e afirmava terem parte com o demônio, principalmente os de cor preta. E a única forma de acabar com os gatos pretos era acabar com TODOS os gatos. Tadinhos! ;-(


Por mais que eles tentassem exterminar os gatinhos, eles continuavam rondando por ali, já que os amantes dos felinos criavam gatos em segredo, impedindo que a espécie desaparecesse. Foi assim que os inquisidores tiveram ainda mais "certeza" de que miau era canto do demônio e que por isso, teriam 7 vidas.
Clique no lugar errado e volte à primeira dica (...)
Mesmo com muitos protetores, foi inevitável que a quantidade de gatos diminuísse drasticamente. E de acordo com muitos historiadores, este fato está diretamente ligado à maior pandemia de Peste Bulbônica da história. Também conhecida como Peste Negra, a Peste Bulbônica dizimou mais de um terço da população européia entre os anos 1347 e 1350. Ela era causada pela bactéria Yersinia pestis, residente no pulga Xenopsylla cheopis que por sua vez habitava no rato preto indiano Rattus rattus.
Clique no lugar certo e chegue à próxima dica (...)
A recuperação na população de gatos teria sido decisiva para o controle da peste, mas há estudiosos que discordem do fato. Uma outra versão é que os gatos teriam 7 ou 9 vidas em decorrência da habilidade que esses felinos possuem para escapar de situações que envolvam risco à sua vida.
Não seja óbvio.

Geral
Vanessa Maciel

Vanessa Maciel

Por carinho e para ficarmos impregnados com o cheiro deles.

Em muitas de suas esfregadas, sejam em pessoas, objetos ou até outros gatos, eles estão na verdade se comunicando. Os felinos possuem glândulas na região da testa, ao redor dos lábios, nas patas e nas laterais do corpo que secretam feromônios, que atuam como uma espécie de "comunicadores químicos".

Os feromônios são únicos, como a nossa impressão digital, cada gato tem o seu. As glândulas da face secretam substâncias com efeito calmante para eles. Se esfregando, o gato liberta secreções dessas glândulas e deixa o seu odor impregnado na pessoa ou objeto, marcando-o como seu território. Esta secreção é limpa e indetectável ao olfato humano. É uma forma do gato demonstrar que aquele local, objeto, animal ou pessoa é de sua posse. E você pensando que era o dono dele...

O próximo gato que passar pelo local provavelmente irá parar, cheirar, e identificar se o cheiro é de um gato conhecido, quando ele esteve por ali, em que direção estava se dirigindo e podendo até perceber se estava de bom humor.

Continue lendo...

Geral
Gabriel Foster

Gabriel Foster

Cães: foram os primeiros animais a serem domesticados. E começou por simples simbiose: o homem usava o cão para caçar e cão tinha comida fácil nos restos do homem. Mas só isso não seria o suficiente. Características como a sociabilidade canina e a adaptação a todas as estações do ano perpetuaram a parceria e garantiram ao animal a alcunha de melhor amigo do homem.

Gatos: quando os egípcios se fixaram às margens do Nilo, o problema foram os ratos. Eles devoravam todos os alimentos. Então apareceram aqueles animais misteriosos, lânguidos, silenciosos e exímios caçadores de ratos. Também interessados em abrigo e comida, os gatos acabaram se fixando.

Ao contrário do cão, que alterou muito sua anatomia, interação e até instintos desde as origens, o gato não mudou quase nada.