Geral
Sabe que dia é hoje? Há 88 anos, acontecia a primeira partida da história das Copas

Esta sexta-feira marca uma data importante para a Copa do Mundo. Em 13 de julho de 1930, um domingo, França e México disputavam a primeira partida da história dos mundiais, dando início a uma história que já conta com 88 anos, 21 edições e mais de 900 partidas disputadas. Aos 19 minutos do primeiro tempo Lucien Laurent, aproveitando uma furada do zagueiro Rosas após cruzamento de Langillier, marcou o primeiro dos 2369 gols anotados até o Inglaterra e Croácia desta quarta-feira (11).

O jogo foi disputado no estádio de Pocitos, então casa do Penharol. Apenas 4400 dos 10 mil lugares no estádio estavam ocupados. Talvez esses expectadores não tivessem noção que estavam fazendo parte da História. O estádio não existe mais. Na Avenida Francisco Soca, no bairro de Pocitos, há uma linha que chega a um círculo e um totem, marcando o círculo central e onde foi posta a bola. Pouco maís à frente, há outro monumento com os dizeres "Onde moram as aranhas", sinalizando a baliza onde Laurent marcou o primeiro tento de todas as Copas.

Fonte

Motor
Anônimo

Anônimo

Xiiii, isso dá uma briga... Mas não vamos puxar sardinha para o nosso compatriota, vamos analisar os fatos:

Quando o brasileiro Alberto Santos-Dumont realizou seu vôo com o 14-Bis, em 23 de outubro de 1906, milhares de pessoas estavam presentes no campo de Campo de Bagatelle, em Paris. O evento teve cobertura da imprensa e registros em filme e fotografia. Stos Dumont foi premiado e consagrado como o primeiro homem que alcançou vôo com uma máquina controlada mais pesada que o ar. Fim de história. Só que não.

Dois anos depois, em 1908, chegam na Europa os irmãos estadunidenses Orville e Wilbur Wright, trazendo consigo também uma máquina voadora controlada e mais pesada que o ar - a Flyer 1. Ela era uma réplica de uma já construída por eles anos antes, em 1903, 3 anos antes do 14-Bis! Portanto, eles reinvindicavam o posto de patronos da aviação. Deu-se o rolo.

Fato é que os irmãos haviam feito algumas demonstrações na época alegada, mas para poucas pessoas. Um dos jornalistas presentes, porém, documentou que não havia acontecido decolagem nenhuma. As autoridades americanas informaram que só oficializariam o feito diante de uma demonstração real. Os irmãos não a realizaram, alegando medo de vazamento de informações.

Nas palavras do próprio Sr. Dumont:

"Eu não quero tirar em nada o mérito dos irmãos Wright, por quem tenho a maior admiração, mas é inegável que, só depois de nós, se apresentaram eles com um aparelho superior aos nossos, dizendo que era cópia de um que tinham construído antes dos nossos. (...) O que diriam Thomas A. Edson, Graham Bell ou Guillermo Marconi se, depois que apresentaram em público a lâmpada elétrica, o telefone e o telégrafo sem fios, um outro inventor se apresentasse com uma melhor lâmpada elétrica, telefone ou telégrafo sem fios, dizendo que os tinha construído antes deles!?"

Pois é. E existiam prêmios, ainda em 1906, para quem conseguisse essa proeza. Então porque os irmãos manteriam sua invenção em segredo? Os Estados Unidos tinham uma representação diplomática em Paris, não haveria porque de vazamento de informações. Só em 1908 que eles fizeram uma demonstração pública e, surpresa - a Flyer 1 precisava de catapulta e trilho para se projetar, ao contrário do 14-Bis.

Para botar uma pedra sobre o assunto, foram inaugurados em 1910 um marco de granito no próprio Campo de Bagatelle e outro em 1913 na Praça Santos-Dumont. No primeiro está escrito: "Aqui, em 12 de novembro de 1906, sob o controle do Aeroclube da França, Santos-Dumont estabeleceu os primeiros recordes de aviação do mundo." E, no segundo (se referindo também ao vôo de balão): "Este monumento foi erigido pelo Aeroclube da França para comemorar as experiências de Santos-Dumont, pioneiro na locomoção aérea. 19 de outubro de 1901 e 23 de outubro de 1906.". Nada sobre os irmãos Wright.

Claro que a mídia norte-americana defende o pioneirismo de seus pátrios, mas o patrono da aviação oficial é o brasileiro.

Geral
Fábio Barroso

Fábio Barroso

Como muitas outras coisas, o gesso não foi "inventado" - foi descoberto e usado numa aplicação prática. Gesso é o resultado do que o aquecimento seguido de redução a pó de um mineral muito abundante na natureza - a gipsita. Nem sempre é branco, podendo ainda ser encontrado nas cores marrom, amarelo, cinza e rosa. E é usado há milênios em diversas culturas como material de construção, assim como o barro e a cal (sim, cal é feminino).

A história registrou seu uso na região da Siria e Turquia há mais de 10 mil anos, em moldagens em Jericó há 8 mil anos, na construção da pirâmide de Quéops anos e até nos afrescos renascentistas. Inclusive na França, no séc XVIII, houve uma lei que estipulava que 95% das construções e reformas deveriam ser feitas com gesso.

Geral
Essa moça acertou os resultados de TODOS os jogos do mata-mata da Copa de 2018

Juliana Azeredo é uma estagiária de publicidade de Niterói de 20 anos e, como a maioria das pessoas, resolveu brincar de apostar nos resultados da Copa do Mundo. Em seu perfil no Twitter, Juliana postou os palpites para os 16 jogos do mata-mata do Mundial da Rússia. O resultado é impressionante: a moça acertou o vencedor dos 16 jogos. Segundo a estatística, a chance de isso acontecer é de 0,001%. Praticamente um milagre estatístico. Em entrevista ao blog Muito Interessante, ela revelou como apostou para acertar os resultados dos 16 jogos.

"Apostei nas seleções que tinham mais time e levei em conta fatores como a raça para reverter um resultado adverso". Nas oitavas, ela apostou que o Uruguai ganharia de Portugal do craque CR7 e que Messi não seria capaz de bater a França sozinho. Outra surpresa que Juliana acertou em cheio foi a eliminação da Espanha pelos donos da casa, além da eliminação da forte seleção suíça pela Suécia - segundo ela, os escandinavos tinham um time melhor. Por fim, ela cravou a vitória croata contra a Dinamarca.

Nas quartas de final, ela apostou na França contra o Uruguai, na Inglaterra sobre a Suécia e em outra vitória da Croácia, desta vez, contra a Dinamarca. "Por estar na chave mais fácil, os croatas eram minha aposta como surpresa da Copa. Confiava que Modric iria levar o time longe". Sobre a eliminação do Brasil pela Bélgica, ela diz que o desfalque de Casemiro foi fundamental para que a niteroiense apostasse na vitória dos Diabos Vermelhos contra o Brasil - ela diz que é sempre pessimista quando se trata da Seleção Brasileira.

Nas semis, ela apostou na França contra a Bélgica e, numa jogada ousada, apostou que o time de Modric e companhia bateria a Inglaterra. "Sou fã da seleção croata e não achava que a Inglaterra seria uma grande ameaça". Na final, Juliana apostou na França por conta das três prorrogações jogadas pela Croácia no caminho até a final - os croatas jogaram 100 minutos a mais que os franceses para chegar à decisão. Se tivesse feito esse palpite num site de apostas, ela teria ganhado milhares de reais. Conta para gente os números da Mega-Sena, Juliana?

Geral
Menor país a ser finalista de Copa, Croácia quer manter tradição de tetra ser sucedido por campeão inédito

A Croácia confirmou ser a sensação da Copa do Mundo ao virar o jogo contra a Inglaterra e alcançar uma inédita final contra a França. O 2 x 1 contra os ingleses no jogo disputado no estádio Luzhniki, em Moscou, nesta quarta feira (11), fez da Croácia o menor país do mundo a alcançar uma final de Copa. Em 1930, o Uruguai tinha 0,85% da população do planeta quando foi finalista do Mundial. Hoje, a Croácia tem 4 milhões de habitantes - 0,05% da população mundial.

No que depender de uma coincidência em Mundiais, a sorte parece sorrir para o time da camisa xadrez. Sempre que uma seleção conquista o tetracampeonato na Copa, é sucedida por um campeão inédito. Após o tetra brasileiro, em 1994, a França ganhou seu primeiro título em 1998. Já em 2006, a Itália se sagrou tetra e em 2010, a Espanha provaria o gosto da sua primeira conquista. Em 2014, no Brasil, tivemos o tetra alemão. Será que a Croácia conseguirá manter a escrita em 2018 ou a França conquistará o bicampeonato?

Geral
'Hexa': Título croata criará sequência inédita de seis campeões diferentes em seis Copas

Se você está torcendo pela Croácia na final da Copa do Mundo, disputada neste domingo contra a França, mais um motivo para você apoiar o time de Modric e companhia. Caso o time da camisa xadrez bata os franceses, teremos um fato inédito na história: seis campeões diferentes em seis Copas. A sequência começa com a França campeã de 1998. Depois tivemos o pentacampeonato brasileiro em 2002, o tetracampeonato italiano em 2006, o título da Espanha em 2010 e outro tetra: a Alemanha de 2014.

Além dessa sequência entre 1998 e 2014, há mais uma sequência de cinco campeões em cinco Copas diferentes: entre as Copas do Mundo de 1966 e 1982. Nesses cinco Mundiais, tivemos o tricampeonato do Brasil em 1970, o bicampeonato alemão em 1974 e o tricampeonato italiano em 1982. Os outros dois títulos foram inéditos: a Inglaterra em 1966 e a Argentina em 1978 - ambos conquistados por essas seleções quando jogavam em casa.

O que esses dados mostram? Está cada vez mais difícil ganhar a Copa do Mundo. Desde 1966, tivemos quatro campeões inéditos: Inglaterra, Argentina, França e Espanha. O último time a conquistar duas Copas seguidas foi o Brasil, com conquistas em 1958 e 1962, há longínquos 56 anos. Somente a Itália iguala o feito, com os títulos de 1934 e 1938. Como o Brasil ganhou três das nove primeiras Copas, ficamos mal-acostumados com tal domínio, nunca mais repetido. Diga aí: dá França ou Croácia amanhã?