Geral
Anônimo

Anônimo

De frio ou de calor, iríamos todos morrer.


Uma das maneiras aceitáveis para que um planeta saia de sua órbita é sofrendo uma forte – e forte mesmo – colisão de algum outro objeto.

Como a Terra tem uma massa enorme, para que o objeto fosse capaz de tirá-la do caminho ele precisaria ter, no mínimo, o tamanho de Vênus.

E, neste caso, a Terra seria totalmente esmagada e destruída na hora, provavelmente acabando com a vida e tudo que há no nosso planetinha azul em alguns segundos.

Mas se, por alguma força do acaso, a Terra fosse capaz de resistir ao impacto, iria sofrer muito com a distância do Sol. A vida na Terra depende do calor, da luz e da energia do sol para sobreviver. Distante desta estrela tão importante, o planeta poderia congelar e perder todos os seus recursos naturais. Ou seja, se o fim não viesse no exato momento da colisão, viria mais tarde de qualquer forma em um inverno sem fim.

Outra forma da Terra se libertar de sua órbita e sair passeando pelo universo seria se o Sol de repente perdesse sua massa de forma muito abrupta, transformando-se em uma nova solar, diferente de uma supernova. Isso é muito improvável, mas digamos que isso aconteça. A Terra não iria conseguir aguentar por muito tempo também porque os raios solares iriam superaquecer os oceanos, queimar tudo que estivesse pela frente e acabar com tudo em alguns segundos.

Em um cenário ainda mais impossível, imagine que o Sol perdeu massa tão rápido que não teve tempo de liberar seus raios superquentes e a Terra conseguiu escapar da órbita antes de ser torrada. A vida até poderia aguentar por um tempo, mas iria ter o mesmo triste fim gelado que falamos antes.

Tudo é muito assustador, mas a probabilidade de isso acontecer é praticamente nula. Eu disse: "praticamente".

--

Você tem mais alguma dúvida? Faça sua pergunta clicando AQUI
Você também pode votar em nossa lista de perguntas não respondidas clicando AQUI

Geral
APOCALIPSE LARANJA: Saiba tudo sobre a possível extinção dos ruivos

Houve boatos de que os ruivos estariam na pior. E ESSES BOATOS SÃO VERDADEIROS! Mas só para os ruivos de verdade. Vocês kibadores que pintam o cabelo com tinta acaju podem respirar aliviados.

Há alguns anos surgiu um hoax que fez muita gente acreditar que os Arroto de Fanta estavam ameaçados de extinção, desmentido por vários especialistas na época.

O texto do ~estudo~ até citava um tal de Oxford Hair Foundation como um centro de pesquisas genéticas. Este instituto, além de nunca ter publicado um estudo sobre o assunto, trata-se de um laboratório financiado pela Proctor & Gamble, fabricante de inúmeros produtos de beleza, incluindo tinta para cabelos.

Mas agora parece que a porra ficou séria.

De acordo com uma matéria publicada no jornal The Independence, o gene responsável pelos cabelos flamejantes seria uma adaptação ao tempo nublado. O tempo literalmente fechou pra ruivarada.

O pesquisador Alistair Moffat, diretor da Galashiels-based ScotlandsDNA, acredita que pessoas ruivas e de pele clara não pegam muito sol e não tomam tanta vitamina D quanto deveriam.

E quando pegamos, ficamos assim.

Devido às mudanças climáticas, o gene responsável pela coloração dos cabelos pode ser modificado para se adaptar melhor a um ambiente mais quente.

Mas você que odeia os enferrujados pode ir tirando o cavalinho da chuva, pois mesmo que esta teoria esteja certa, você não vai ver os ruivos desaparecer da face da Terra. Uma extinção como esta levaria muitas centenas de anos para acontecer.

Não tão cedo, inimigos.