Instagram

Lavar a louça com concentração pode ajudar a limpar a mente de pensamentos negativos.

Pesquisadores da Florida State University reuniram 51 voluntários que leram instruções antes de lavarem 18 pratos cada um.

Metade leu instruções inspiradas na meditação mindfulness, com orientações para que os voluntários se concentrassem no ato de lavar os pratos e estivessem plenamente conscientes de todos os movimentos, a respiração e os aspectos sensoriais da prática.

A outra metade leu um texto curto e descritivo sobre como lavar louça corretamente.

Os pesquisadores descobriram que aqueles que lavaram os pratos usando a técnica mindfulness (se concentrando na temperatura da água, no aroma do sabão e nos movimentos que estavam fazendo) relataram sentimentos de inspiração 25% maiores e níveis de nervosismo 27% mais baixos que antes de lavar a louça.

Por outro lado, os que não praticaram a atenção concentrada não se beneficiaram da tarefa. Os níveis de estresse foram aferidos por um questionário objetivo realizado com os participantes antes e depois da lavagem da louça.

Os pesquisadores concluíram que a pesquisa sugere que atividades cotidianas podem ser ótimas oportunidades para praticar a técnica mindfulness com bons resultados.

Fonte

Instagram

Já reparou que dezembro é um mês cheio de coisas estressantes?

O trabalho a mil por hora e você querendo desacelerar nas folgas do período de festas, contas e mais contas para pagar, estradas abarrotadas de carros, shoppings dando na tampa de tanta gente, aeroportos congestionados... ufa!

Sim, o fim de ano é realmente estressante e segundo pesquisa da International Stress Management Association do Brasil (ISLA-BR) sobre o aumento de ansiedade, irritação e tensão nas pessoas no último mês do ano, foi comprovado que em dezembro o nível de estresse aumenta, em média, 75% em relação aos outros períodos.

A associação que pesquisa o estresse e suas formas de prevenção ouviu 700 pessoas economicamente ativas, com idade entre 25 e 55 anos. 60% dos entrevistados revelou que o excesso de tarefas no trabalho é a principal causa de estresse. 25% atribuíram aos gastos adicionais.

“As causas disso passam pela sobrecarga de trabalho, trânsito, solidão e gastos”, explica Ana Maria Rossi, presidente da instituição.

E mais, excesso de comida e bebida alcoólica, gastos além da conta, estresse, depressão e a obrigação de parecer feliz no fim de ano podem causar problemas de saúde, a combinação pode ser fatal. Quem já tem hipertensão, arritmia ou depressão, por exemplo, corre mais risco de sofrer um derrame ou ataque cardíaco como consequência do que os americanos chamam de "holiday heart syndrome" (síndrome de fim de ano), segundo Elias Knobel, cardiologista do Hospital Israelita Albert Einstein.

Nos prontos-socorros, há aumento dos casos relacionados a ansiedade e depressão, segundo Daniel Magnoni, diretor de nutrição do Hospital do Coração. No CVV (Centro de Valorização da Vida), o número de ligações sobe 20% na época.

Fonte

Instagram

O estresse está batendo lá no alto? Entre numa sala de chat com você mesmo e bata um autopapo em terceira pessoa e diga: "Calma, cara!". Segundo estudo das Universidades de Michigan e do Estado de Michigan (EUA), falar sozinho é uma solução rápida para contornar situações de estresse.

Funciona assim, como no exemplo: Suponha que Joana tenha acabado de bater o carro numa colisão corriqueira de trânsito e reflita sobre seus sentimentos em voz audível na terceira pessoa, "Joana, ninguém se feriu", Joana irá reagir com mais calma que se fizesse na primeira pessoa: "Eu não feri ninguém". Segundo o estudo, esse autopapo em terceira pessoa faz com que as pessoas se distanciem emocionalmente de suas emoções, regulando-as.

Os resultados foram obtidos por meio de dois estudos. No primeiro, os participantes viam imagens neutras e perturbadoras e reagiam a elas em primeira e terceira pessoa enquanto tinhas suas atividades cerebrais monitoradas. Quando reagiam às imagens ruins (como um homem apontando uma arma para suas cabeças), as atividades cerebrais foram reguladas mais rapidamente entre os que falam com eles mesmos em terceira pessoa.

Também foi analisado o esforço para falar consigo mesmo na terceira pessoa e foi constatado que não é mais difícil do que fazer isso em primeira pessoa ou usar técnicas de mindfullness ou pensar pelo lado positivo.

No segundo experimento, os participantes refletiram sobre suas experiências dolorosas do passado usando a terceira e a primeira pessoa, enquanto os cérebros eram monitorados. Da mesma forma que o estudo anterior, A fala em terceira pessoa regula melhor as emoções e não exige esforço maior.

"Essencialmente, pensamos que se referir a si mesmo em Terceira pessoa leva as pessoas a pensarem nelas mesmas de uma forma semelhante à que pensam sobre outras pessoas e pode-se ver isso no cérebro", disse o professor de psicologia e pesquisador Jason Moser.

Fonte

Instagram

Segundo um levantamento da Deloitte Greenhouse Experience, excesso de trabalho não é a maior causa de estresse no ambiente profissional, a situação mais estressante é descobrir que cometeu um erro.

A divisão de pesquisa da Deloitte, detectou fatores que podem levar à perturbação emocional, como constatação de erros, conversas difíceis e exercício de função que não se encaixa no perfil da pessoa.

O estudo global consultou mais de 23 mil profissionais de 1.300 organizações, em 120 países. A maioria dos respondentes (57%) disse sentir estressado de vez em quando e 25% afirmou sentir-se assim com frequência.

A situação considerada mais estressante pelos participantes foi descobrir que cometeu erro (82%). Carga de trabalho excessiva foi apontada por 52% dos entrevistados — mesma quantidade de pessoas citou momentos de conflito, como ser repreendido ou por ter que comunicar uma mensagem difícil para outras pessoas.

Fonte

Instagram

Estudo mostra que cantar diminui em 96% a sensação de estresse e de isolamento nos trabalhadores.

Acadêmicos da Universidade de Leicester, no Reino Unido, questionaram 1.000 indivíduos de diversas profissões e empresas sobre as exigências laborais a que estavam sujeitos, do seu humor e nível de socialização.

A professora Joanna Foster, líder do estudo, disse que "Cantar em grupo tem um efeito positivo na saúde e na produtividade no trabalho", e completou: "Cantar é uma atividade divertida e livre. As entidades laborais deviam mesmo incluir grupos de canto nas empresas e encorajar os indivíduos a participarem".

Um estudo anterior, também realizado pela Universidade de Leicester, concluiu que um em cada 20 trabalhadores se sente sobrecarregado no emprego e que um em três não consegue gerir a carga de tarefas que lhe é atribuido.

Fonte

Instagram

Os benefícios de dormir de conchinha vão além do momento gostoso que se passa ao lado do parceiro. De acordo com um estudo Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, dormir ao lado do parceiro diminui o nível de cortisol no sangue, o hormônio do estresse.

A explicação está na forma com o que as pessoas sentem ao dormirem abraçadas: protegidas e seguras. Desta forma, o corpo fica mais relaxado e não sente necessidade de estar "alerta", tornando desnecessária a produção de cortisol. Além disso, os pesquisadores acreditam que casais que dormem abraçados tendem a ser pessoas mais calmas, descontraídas e honestas.

Os pesquisadores também indicaram que dormir de conchinha estimula a produção de ocitocina. Conhecido como o "hormônio do amor", ocitocina age como um neurotransmissor, assim a substância é liberada quando existe o contato de pele entre as pessoas, e também quando existe a formação de uma relação de confiança entre elas. Desta forma, ela é conhecida pela sua função de união entre as pessoas e desenvolvimento de ligações de carinho.

Fonte