Geral
Giovanni Bisol

Giovanni Bisol

Não. Essa história de que a Grande Muralha da China é visível do espaço foi um equívoco da NASA, que confundiu o traçado do leito de um rio com a obra chinesa. Ninguém queria confirmar isso mais que a China, mas em 2003, quando Yang Liwei (primeiro astronauta chinês a ir ao espaço), chegou lá, ele não viu nada. :-/

E não foi por ele ter o olho muito puxadinho.

Após o confirmação do astronauta asiático, a NASA reconheceu oficialmente o erro.

E sabe aquela frase: "A Grande Muralha da China é a única obra humana que pode ser vista do espaço a olho nu." ? Ela também é uma afirmação incorreta. A ACC (Academia de Ciências da China) afirma que apesar da Grande Muralha não ser visível do espaço, outras obras feitas pelo homem são. As pirâmides do Egito, por exemplo, aparecem nesta foto feita do espaço pelo astronauta japonês Soichi Noguchi.

Lembrando que fatores como condições atmosféricas e a posição do observador precisam ser considerados.

Geral
Gabriela Pessoa

Gabriela Pessoa

Eles precisam tomar vários cuidados especiais, senão o cocô e o xixi vão ficar flutuando por aí.

Cortando o rabo do macaco
Na hora de soltar o barro, os astronautas encaixam o bumbum em uma privada especial, com uma série de amarras para impedir que o tripulante flutue enquanto estiver passando um fax.

Outra característica curiosa deste trono é que ele não possui água - elemento extremamente precioso quando se está no espaço. Ele é equipado com um aspirador que usa ar para levar o barro para uma espécie de compactador, que vai extrair toda a umidade do material e guardá-lo em um compartimento.

A ideia é descartar tudo quando a missão volta à terra, mas quando os astronautas cagam muito e este compartimento fica lotado, o cocô é despejado no espaço mesmo. Este aspirador também é responsável por criar um vácuo entre a bunda do astronauta e o trono, impedindo que o cocô “fuja”.

E como no espaço o ar é também muito precioso, este aspirador filtra o ar que usa para sugar os dejetos, para que ele volte a circular novamente no ambiente do ônibus ou da estação espacial.

Tirando água do joelho

Na hora de fazer xixi, os meninos encaixam na pirok em um tubo acoplado ao aspirador da privada. Já as meninas encaixam no tubo um adaptador retangular que cobre toda a ppk, evitando vazamentos indesejáveis.

E nada pode ser desperdiçado. Um sistema ultra sofisticado de filtragem transforma parte do xixi em água potável, que é utilizada por todos os astronautas da missão.
Não clique, é nojento.

Mas eles nem sempre podem usar o banheiro. Como o processo de lançamento de um ônibus espacial é bastante demorado e os viajantes não podem ficar passeando pelo veículo durante o procedimento, eles usam o que chamam de “Vestimenta de Máxima Absorção”, também conhecida como fralda.

Astronauta mostra fralda durante a palestra

As fraldas também são utilizadas durante asspacewalks, que são as atividades extra-veiculares. Como o tempo de permanência fora do veículo é limitado, eles não podem se dar ao luxo ir ao banheiro quando bem querem. Aí eles se aliviam como nos velhos tempos de bebê.
Sugerimos que vc não procure o gif oculto. É nojento.

Geral
Anônimo

Anônimo

Por conta da inclinação do globo. Como sabemos, o globo terrestre nem é 100% esférico (é levemente achatado) e tem o eixo inclinado (atualmente a inclinação é de 23,45 graus). Essa inclinação faz com que a incidência do sol não seja uniforme na superficie do planeta durante o ano todo. Como resultado disso temos as estações do ano e o chamado Sol-da-meia-noite, que é exatamente quando o circulo polar ártico ou antártico (em alguns meses do verão) fica mais apontado para o Sol, chegando a receber até 24 horas ininterruptas de luz. 

Vale lembrar que, enquanto isso, o outro pólo está na escuridão. Na região da Lapônia Central, o sol fica 51 dias sem aparecer. Haja vela.