Geral
Hikari Hitachiin

Hikari Hitachiin

Tesoura: do latim tonsorius ("tosquiar", "podar", "raspar"), tem suas origens lá no Antigo Egito, por volta de 1500 a.C.. Mas o formato que conhecemos hoje foi desenvolvido já durante o Império Romano, por volta do ano 100. Mas eram feitas de ferro ou bronze, artesanais, super onamentadas, mais pra profissionais mesmo. A popularização se deu pela versão em aço desenvolvida pelo inglês Robert Hinchliffe em 1751.

Durex: em 1925, era moda os carros terem uma faixa colorida. Para fazer isso, dava bastante trabalho para isolarem a faixa com jornal e gesso para aplicarem a tinta de outra cor no restante do carro. Ai, um assistente de laboratório da empresa 3M chamado Richard G. Drew apareceu nas oficinas com uma invenção dele: duas faixar de papel com as bordas embebidas numa cola especial. Não deu muito certo porque a tinta ainda entrava onde não tinha cola. Ele passou cola na faixa toda. Seu chefe, o escocês William McKnight, adorou a idéia e lançou com o nome de Fita Scotch ("fita escocesa" em inglês). Era mais parecida com a crepe, a de plástico transparente mesmo veio depois de 5 anos, também chamada scotch. E ainda hoje é conhecida com esse nome por lá. Aqui no Brasil ficou "durex" pelo mesmo motivo - é o nome da empresa que primeiro lançou a fita, em 1946.

Geral
Lilyane Cezket

Lilyane Cezket

Porque, antes do cristianismo, a adoração era mais voltada aos fenômenos da natureza (lembra do deus-sol Tupã dos nossos índios?). Logo, era comum a adoração de animais e outros elementos da natureza considerados virtuosos, surgindo seu hibridismo com o ser humano na forma de uma divindade.

Esses deuses zoomórficos não são exclusividade dos egípcios. Existem também em outras culturas como a hindu, asteca, maia, grega, chinesa, etc.

Geral
Duda York

Duda York

Quem acha que foi devido a um tiro de canhão de Napoleão Bonaparte está completamente enganado. Pois é, esta história famosa só surgiu por conta da fama de maluco que o general francês já tinha. Segundo ela, Napoleão teria atirado contra o rosto da estátua em 1798, quando invadiu o Egito. Porém, há duas coisas que contradizem essa história e apontam para a real causa. 

Uma delas é uma ilustração datada de 1755, quase 50 anos antes da invasão francesa. Nela, o artista Frederick Lewis Norden retrata a Esfinge já sem o nariz.

O segundo indício são os vestígios no que sobrou do nariz: marcas de ferramentas. 

Antigamente, no Egito, a remoção do nariz era uma punição a criminosos. Assim sendo, a maioria dos que os historiadores acredita que, por volta do séc XIV, algum grupo removeu o nariz da Esfinge como forma de protesto ou vandalismo mesmo. Lembrando: a Esfinge de Gizé foi construída 3 mil anos antes de Cristo (alguns defendem que é ainda mais antiga, cerca de 10 mil anos antes de Cristo) e, após o abandono, ficou soterrada até 1817.


As complicações sociais egípcias são mais antigas do que imaginamos.

Se vc encontrar as imagens ocultas, não conte a ninguém, apenas responda nos comentários: 1) qual a sua música favorita das que ele cantou? 2) Qual o feitço ideal contra ele? ;-)

Geral
Anônimo

Anônimo

Poucos. Na Roma antiga, a homossexualidade masculina era extremamente comum e com as mais diversas finalidades. Mas a diversão carnal (homo ou hétero) era vista como algo de direito masculino, sendo privado das mulheres (temos resquícios dessa mentalidade até hoje) sendo comum a máxima "com homens para diversão, com mulheres para reprodução". Portanto, lesbianismo não era visto com bons olhos pelo Império Romano. E, mesmo não sendo preconceitualizado em outras sociedades, ainda assim existem poucos registros em decorrência do descaso geral com que a história tratou as mulheres. Mas que existia, claro, existia. A própria Roma antiga tem registro de um homem que matou a esposa ao encontrá-la na cama com outra. Todavia, o primeiro texto poético que sugere a atração entre mulheres data de 2300 a.C. e é de autoria da princesa e sacerdotisa da Acádia - Enheduanna. Se tratam de hinos em louvor à deusa da guerra Inanna, nos quais a sensualidade da deusa é fortemente ressaltada, chegando a chama-la de "esposa". 


Deusa Inanna

Um texto do antigo Egito se refere a um feitiço de amor feito por uma mulher chamada Sarapias com a finalidade de seduzir outra mulher - Herais. De acordo com algumas lendas, o deus hindu Ganesha é fruto de uma relação entre duas deusas. 

Ganesha

O código de Hamurábi (monolito mesopotâmico de cerca de 1.700 a.C. que é o primeiro registro de um código de leis) menciona uma figura chamada "salzikrum", descrita como uma mulher masculinizada que podia ter várias esposas, direito de hereditariedade e que provavelmente nunca teve filhos. O próprio nome do personagem significa "filha-macho". 

Na China, era normal casais femininos onde elas se relacionavam como marido e mulher, sendo que a prática tinha até um nome distinto: dui shi.Além de registros de tribos primitivas onde a relação entre mulheres era comum, quando não exclusiva.

Mas quem marcou essa história foi a poetisa grega Safos, que, a cerca de 600 a.C., registrou abertamente seus desejos sexuais também por pessoas do mesmo sexo. Sua poesia erótica e política rendeu-lhe polêmicas antes e depois da morte, tendo seus textos queimados no Império Romano. Ela também é a responsável pelo termo "lésbica" - a poetisa nasceu na ilha de Lesbos.

Safos, poetisa grega de 600 a.C