Geral
Anônimo

Anônimo

Atualmente o termo correto é homossexualidade. De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), ela não é uma doença, portanto, não há o que curar. No Brasil, desde que os conselhos de psicologia retiraram a homossexualidade da lista de distúrbios psicológicos, é proibida qualquer iniciativa de reversão da homossexualidade e os profissionais envolvidos nestes tipos de "tratamento" estão sujeitos a processo nos seus respectivos conselhos regionais de psicologia, correndo o risco de perderem o direito de trabalhar na área.

Geral
Amanda Mancio

Amanda Mancio

É o nome popular do polêmico Projeto de Decreto Legislativo 234/11, de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO), que foi aprovada pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) no dia 18 de junho de 2013. 

A resolução nº 1/99 do Conselho Federal de Psicologia, em dois artigos, proíbe os psicólogos de tratar a homossexualidade como algo patológico (doença) e/ou estimular uma alteração sexual no paciente. 

A proposta, apelidada pela população de "Cura Gay", prevê a remoção destes trechos. Ou seja, com a lei aprovada, os psicólogos podem tratar a homossexualidade como uma característica patológica e reversível.

De acordo com a OMS - Organização Mundial de Saúde, a homossexualidade não pode ser considerada uma doença, logo não é passível de cura.

Mesmo com a aprovação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, o texto ainda precisa ser votado pelas comissões de Seguridade Social e Família e de Constituição e Justiça, depois pelos deputados federais e, por último, pelo Senado, para ser então validado.

Você pode ler a proposta completa e formar a sua opinião. O que você pensa sobre o assunto?

Geral
Anônimo

Anônimo

Sim, mas só se você sofrer de Insônia Fatal Familiar (IFF), uma doença infecciosa do mesmo grupo da doença da vaca louca. 

Além de não conseguirem dormir, os acometidos pela IFF também sofrem alucinações, pânico e ansiedade, que causam perda rápida de peso, demência e em alguns casos, óbito. 

Mas é um tipo tão raro de insônia, que você provavelmente nunca conhecerá nenhum portador. Estima-se que a IFF atinja cerca de 100 pessoas ao redor do mundo. 

A morte por IFF é em decorrência da degeneração neurológica do cérebro, ligada a uma proteína anormal que passa a ser produzida pelo corpo. Geralmente a IFF começa a se desenvolver na meia idade e causa a morte do paciente em dois anos.

O máximo de tempo que uma pessoa conseguiu ficar sem dormir que se tem conhecimento foram 11 dias consecutivos. Em 2007 o britânico Tony Wright manteve os olhos abertos se alimentando apenas de vegetais crus, como suco de cenoura, banana, abacate, abacaxi e nozes.

Segundo Wright, a dieta escolhida teria sido importante para manter partes de seu cérebro operantes e despertas por longos períodos. Na época, ele disse à BBC que conseguiu o feito alternando o uso das partes do cérebro - usando o lado direito enquanto o esquerdo descansava (baleias e golfinhos passam meses sem dormir através de técnicas cerebrais parecidas). Mas não há provas científicas de que ele foi capaz de usar tal técnica.

Mesmo conseguindo a façanha, ele não entrou para o Livro dos Recordes. Desde 1964 o Guinness World Records não recompensa vencedores de concursos de privação de sonhos por causa dos possíveis riscos para a saúde dos participantes, mas tudo foi transmitido ao vivo via webcam e acompanhado pela rede de notícias britânica BBC. 

Se vc encontrou o vídeo oculto, não conte a ninguém, apenas responda: vc ficou com sono ou vomitou arco-íris?