Geral
Cristiano Ronaldo não tem tatuagens - e o motivo é muito nobre

Cristiano Ronaldo foi o nome do jogo entre Portugal e Espanha, disputado nesta sexta-feira (15), na estreia das seleções no grupo B da Copa do Mundo. Mas não é só dentro de campo que Ronaldo é craque. Muitos dos jogadores do Mundial tem tatuagens no corpo. Ronaldo, no entanto, não se deixa levar pela moda e nunca fez um desenho sequer no corpo. A escolha do português, porém, nada tem a ver com questões estéticas, e sim um outro motivo – que é bastante nobre, aliás.

CR7 revelou que não tatua o corpo porque doa sangue regularmente; se o fizesse, teria de parar de praticar a boa ação. Pessoas que tenham feito tatuagens não podem doar sangue pelo prazo de um ano. A precaução acontece para prevenir a transmissão de doenças como a hepatite. As tatuagens são comuns entre os jogadores da seleção brasileira - a maioria tem a pele desenhada. Neymar e Gabriel Jesus são alguns dos atletas com mais artes espalhadas pelo corpo.

Fonte

Geral
Anônimo

Anônimo

Em 1930, no Uruguai, que foi o grande campeão. Neste ano não foram feitos jogos eliminatórios, os 13 times que participaram foram convidados da FIFA. As duas copas seguintes ocorreram normalmente (1934 e 1938), mas as copas de 1942 e 1946 foram suspensas devido a 2º Guerra Mundial. Em 1950 a competição voltou e nunca mais teve interrupções. A copa de 1950 aconteceu no Brasil, que perdeu a final por 2x1 para o Uruguai.

Geral
O Brasil tem maiores chances estatísticas de ganhar a Copa do Mundo, diz levantamento da The Economist

Em previsão divulgada neste sábado (16), a revista inglesa Economist prevê que o Brasil ganhará a Copa do Mundo de 2018. Segundo a publicação, o Brasil tem até 32% de chances de trazer a Copa do Mundo para casa. O Brasil estreia neste domingo pelo grupo E do Mundial contra a Suíça em Rostov. Costa Rica e Sérvia são as duas outras seleções da chave. Mas por quê é tão difícil prever resultados em futebol?

Para responder isso, a revista criou um modelo para a razão de um país ser bem-sucedido no futebol. “Analisamos dados históricos e dezenas de fatores que ajudam no sucesso de uma seleção”, explicou a revista. Um dos pontos analisados foi quantos jogadores potenciais um país tem, pela chance de revelar mais talentos. Neste quesito, a liderança é da Alemanha, com 16 milhões de jogadores potenciais, enquanto a Islândia ficou na lanterna, com apenas 32mil jogadores.

A popularidade do esporte foi outro fator que entrou no modelo da The Economist que usou as buscas do Google como parâmetro para mostrar a paixão do país pelo "jogo bonito". Os países africanos ficaram no topo da análise neste quesito, enquanto Índia e Paquistão, nos últimos lugares. Recursos financeiros foram também um ponto analisado - Alemanha, Inglaterra e Suíça saem na dianteira da Copa do Mundo deste ano nesse aspecto.

No entanto, existem alguns pontos "fora da curva": Croácia, Costa do Marfim e Uruguai. “O que os torna bons no futebol?”, questionou a revista. Para a Economist, os três países incentivam seus jogadores a serem criativos. Em segundo lugar, extensas redes de olheiros capturam jogadores talentosos. Por fim, eles exploram a rede global de know-how do futebol, tanto exportando jogadores para a Europa como trazendo os principais técnicos.

Fonte

Geral
Será que vem o hexa? Veja 8 coincidências entre as Copas de 2002 e 2018

O Brasil conquistou o pentacampeonato em 2002 e, desde então, amarga 3 Copas seguidas sem sequer ser finalista do Mundial. No entanto, uma série de coincidências entre a Copa de 2002 e a Copa de 2018 podem servir para deixar o torcedor animado para o Mundial que começa no próximo dia 14 de junho. Vamos ver quais são esses fatos:

2002
Kleberson, volante contestado, pouco aceito pela torcida, negociado com o Manchester United às vésperas da Copa
2018
Fred, volante contestado, pouco aceito pela torcida, negociado com o Manchester United às vésperas da Copa

2002
Treinador gaúcho, foi campeão e ídolo da torcida de um clube paulista antes de assumir a Seleção
2018
Treinador gaúcho, foi campeão e ídolo da torcida de um clube paulista antes de assumir a Seleção

2002
Ronaldo, nosso camisa 9, sofreu uma lesão poucos meses antes da Copa, mas recuperou-se a tempo de jogar o Mundial
2018
Gabriel Jesus, nosso camisa 9, sofreu uma lesão poucos meses antes da Copa, mas recuperou-se a tempo de jogar o Mundial

2002
Emerson, capitão do time e homem de confiança do treinador, machucou-se e foi cortado do time
2018
Daniel Alves, capitão do time e homem de confiança do treinador, machucou-se e foi cortado do time

2002
Time chegou à Copa desacreditado depois de, no torneio anterior, tomar uma surra desconcertante da França, que foi campeã
2018
Time chegou à Copa desacreditado depois de, no torneio anterior, tomar uma surra desconcertante da Alemanha, que foi campeã

2002
Costa Rica no mesmo grupo que o Brasil
Nigéria no mesmo grupo que a Argentina
2018
Costa Rica no mesmo grupo que o Brasil
Nigéria no mesmo grupo que a Argentina

2002
O lateral esquerdo Roberto Carlos, melhor do mundo na posição, era titular absoluto do Real Madrid. Conquistou a UCL no ano da Copa
2018
O lateral esquerdo Marcelo, melhor do mundo na posição, é titular absoluto do Real Madrid. Conquistou a UCL no ano da Copa

2002
Ronaldinho Gaúcho era o camisa 10 do PSG
2018
Neymar é o camisa 10 do PSG

Geral
Jogo inédito em Copas, Suécia x Suíça fazem 'clássico do IDH'

Na primeira fase, caíram cinco dos países mais pobres da Copa. Mas nesta terça (3), dois dos países mais ricos do Mundial lutam por uma vaga nas quartas de final. Longe de serem potências do futebol, Suécia e Suíça possuem ótima qualidade de vida: tem o 14º e o 2º lugar no IDH, índice de desenvolvimento humano da ONU. A medida usa dados de riqueza, educação, expectativa de vida para comparar nações - o Brasil ocupa o 79º lugar.

Com 9,9 milhões de habitantes (equivalente a Pernambuco) a renda per capita sueca é de US$ 51.600), a 8ª do planeta. A brasileira é a 77ª. Já a Suíça, com 8,3 milhões de pessoas, têm renda per capita de (US$ 78.800), a quarta do mundo. Um dos ícones do Estado de bem-estar social, mantido por carga tributária de 48% do PIB, a Suécia, oferece inúmeros benefícios aos cidadãos. Três cidades suíças, Zurique, Genebra e Berna estão entre os 10 melhores lugares do mundo para morar.

Ambas as seleções conseguiram a classificação em chaves fortes: a Suécia bateu a favorita Alemanha e foi primeira na chave F. A Suíça empatou com o Brasil e foi segunda colocada no grupo E. Suécia e Suíça têm tradição na Copa: os suecos estão em seu 12º Mundial, e os suíços, no 11º. O confronto, inédito em Copas do Mundo, é tão equilibrado quanto o retrospecto dos confrontos (11 vitórias suíças, 10 suecas e 7 empates).

A mais alta colocação da Suíça é o quinto lugar em 1954, quando foi anfitriã. Ela perdeu nas quartas de final em jogo que marca o recorde de gols em um único jogo de Copa: 7 x 5 para a Áustria. Vice em 1958, dentro de casa, terceira colocada em 1950 e em 1994, e quarta colocada em 1938, a Suécia exibe retrospecto bem superior. Trata-se da seleção que o Brasil mais vezes enfrentou em Copas (sete, duas delas em 1994).

Fonte