Geral
Prepare o coração: com Tite, 64% dos gols do Brasil saíram no segundo tempo

O Brasil joga contra a Sérvia em Moscou, nesta quarta-feira (27), precisando só do empate para avançar às oitavas de final da Copa do Mundo de 2018. Mas esteja preparado para sofrer: dos 50 gols feitos pela seleção brasileira sob a batuta de Tite, 32 foram feitos no segundo tempo – 64% do total. Contra a Costa Rica, a seleção brasileira precisou até mais que 90 minutos para vencer. Coutinho, aos 46 minutos, e Neymar, aos 52, marcaram os gols que garantiram a primeira vitória da equipe no Mundial. Com o resultado, o Brasil é líder do grupo E, com 4 pontos - mesma pontuação da Suíça, que perde no saldo de gols (2 contra 1). Continue lendo...

Geral
Brasil é o segundo time menos catimbeiro da Copa do Mundo de 2018

Levantamento realizado pelo site norte-americano FiveThirtyEight, especializado em análise de dados e estatísticas desmontou um dos mitos da Copa do Mundo de 2018. Segundo os dados, a ideia de que o Brasil seria um dos times mais catimbeiros da Copa e de que as quedas do atacante Neymar ajudam a retardar o jogo está completamente fora da realidade.

A análise do FiveThirtyEight mediu quanto tempo cada seleção gasta para realizar atividades como tiro de meta e substituições quando está à frente no placar. A ideia era mensurar a "cera" ou a catimba feita por cada time, Segundo o levantamento, a seleção de Tite é até mais rápida quando está em vantagem, com média de dois segundos a menos nas quatro situações de jogo analisadas: escanteios, faltas, tiros de meta, substituições e arremessos laterais.

O time que gastou mais tempo nessas situações foi o Peru – seis segundos a mais para cada uma delas. O Peru só esteve em vantagem diante da Austrália, na última rodada da fase de grupos. Para surpresa de muitos, o top five é completado por quatro seleções da Europa: Suécia (5,7), França (5,6) e Inglaterra (4) são as equipes que mais fizeram retardaram o jogo quando estavam ganhando.

Produzido pelo FiveThirtyEight, o quadro abaixo mostra a variação do "tempo gasto" ("time-wasting") por cada país ("country") em vantagem nos escanteios ("corners"), faltas ("free kicks"), tiros de meta ("goal kicks"), substituições ("subs"), arremessos laterais ("throw-ins") e a variação total em relação à média ("total average time above below all team average"). Note que Japão, Brasil e Polônia (em rosa) chegam a ser mais rápidos do que a média, mesmo quando estão vencendo.

O tema veio a tona nesta semana por conta das inúmeras críticas da imprensa inglesa à atuação de Neymar no jogo contra o México. Para os jornalistas ingleses, as reações do brasileiro são desproporcionais às faltas sofridas. No entanto, os dados, novamente desmentem o senso comum: com 24 faltas sofridas, Neymar é o jogador mais caçado da Copa.

Fonte

Geral
Brasil desperdiça 41 mil toneladas de comida por dia. Adivinha quem é o vilão?

Pesquisa feita pela ONU sobre desperdício de alimentos no Brasil mostra que 61% dos brasileiros descartam, toda semana, um ou dois alimentos em perfeito estado. Quase metade (49%) dos entrevistados faz isso todos os dias. O vilão do desperdício, segundo o estudo feito com mil brasileiros de 18 a 64 anos, é a geladeira.

Isso ocorre por causa da chamada “cegueira da geladeira”: hábito de não ver ou ignorar alimentos após colocá-lo no refrigerador. Muitos olham para a geladeira, mas não sabem o que cozinhar (78%). Outros vilões são comprar comida além do necessário (54%), adquirir opções para satisfazer o gosto de diferentes membros da família (37%) e compra de alimentos por teste, que acabam não agradando (31%).

Os alimentos mais desperdiçados são os perecíveis, como saladas (74%), vegetais (73%) e frutas (73%). Cheiro e aparência (85%) e prazo de validade expirado (83%) são os critérios mais usados para jogar comida fora. Segundo a ONU, no Brasil, são descartadas 41 mil toneladas todos os dias, o que daria para alimentar 25 milhões de pessoas por dia.

Fonte

Geral
Será que vem o hexa? Veja 8 coincidências entre as Copas de 2002 e 2018

O Brasil conquistou o pentacampeonato em 2002 e, desde então, amarga 3 Copas seguidas sem sequer ser finalista do Mundial. No entanto, uma série de coincidências entre a Copa de 2002 e a Copa de 2018 podem servir para deixar o torcedor animado para o Mundial que começa no próximo dia 14 de junho. Vamos ver quais são esses fatos:

2002
Kleberson, volante contestado, pouco aceito pela torcida, negociado com o Manchester United às vésperas da Copa
2018
Fred, volante contestado, pouco aceito pela torcida, negociado com o Manchester United às vésperas da Copa

2002
Treinador gaúcho, foi campeão e ídolo da torcida de um clube paulista antes de assumir a Seleção
2018
Treinador gaúcho, foi campeão e ídolo da torcida de um clube paulista antes de assumir a Seleção

2002
Ronaldo, nosso camisa 9, sofreu uma lesão poucos meses antes da Copa, mas recuperou-se a tempo de jogar o Mundial
2018
Gabriel Jesus, nosso camisa 9, sofreu uma lesão poucos meses antes da Copa, mas recuperou-se a tempo de jogar o Mundial

2002
Emerson, capitão do time e homem de confiança do treinador, machucou-se e foi cortado do time
2018
Daniel Alves, capitão do time e homem de confiança do treinador, machucou-se e foi cortado do time

2002
Time chegou à Copa desacreditado depois de, no torneio anterior, tomar uma surra desconcertante da França, que foi campeã
2018
Time chegou à Copa desacreditado depois de, no torneio anterior, tomar uma surra desconcertante da Alemanha, que foi campeã

2002
Costa Rica no mesmo grupo que o Brasil
Nigéria no mesmo grupo que a Argentina
2018
Costa Rica no mesmo grupo que o Brasil
Nigéria no mesmo grupo que a Argentina

2002
O lateral esquerdo Roberto Carlos, melhor do mundo na posição, era titular absoluto do Real Madrid. Conquistou a UCL no ano da Copa
2018
O lateral esquerdo Marcelo, melhor do mundo na posição, é titular absoluto do Real Madrid. Conquistou a UCL no ano da Copa

2002
Ronaldinho Gaúcho era o camisa 10 do PSG
2018
Neymar é o camisa 10 do PSG

Geral
Cobra com patas? Lagarto raro vive na região norte do Brasil

Em tese não é difícil diferenciar uma cobra de um lagarto, certo? Não se o animal em questão for a Bachia scaea, por exemplo. A espécie tem aparência de cobra, devido ao corpo alongado, mas também tem patas, conhecidas como membros rudimentares. Cobra ou lagarto? Apesar de parecer muito com uma cobra, a Bachia scaea é um lagarto. A rara espécie é nativa da Amazônia brasileira e foi descoberta por pesquisadores em 2013 no estado de Rondônia, mais especificamente às margens do rio Madeira.

Pequenino, esse lagarto pode passar imperceptível aos olhos de qualquer observador por conta dos seus diminutos sete centímetros de comprimento. A Bachia scaea costuma ser encontrada em folhiços próximo a troncos caídos, ou a pedras no chão. Alimenta-se de artrópodes, como insetos e aranha. Uma curiosidade sobre esse lagartinho é que ele possui pálpebras inferiores com discos semitransparentes - com isso, ele é capaz de enxergar mesmo de olhos fechados.

A principal ameaça à sobrevivência da espécie é a perda do habitat natural. Mineração, pecuária e a construção de hidrelétricas no Rio Madeira afetam a sobrevivência desse animal tão incomum. A Bachia scaea pertence à família Gymnophthalmidae, que abrange em torno de 250 espécies de lagartos com escamas e corpos prolongados com membros reduzidos. As espécies se distribuem pelas florestas tropicais da América Central e na América do Sul.

Fonte

Geral
Amanda Mancio

Amanda Mancio

É o nome popular do polêmico Projeto de Decreto Legislativo 234/11, de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO), que foi aprovada pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) no dia 18 de junho de 2013. 

A resolução nº 1/99 do Conselho Federal de Psicologia, em dois artigos, proíbe os psicólogos de tratar a homossexualidade como algo patológico (doença) e/ou estimular uma alteração sexual no paciente. 

A proposta, apelidada pela população de "Cura Gay", prevê a remoção destes trechos. Ou seja, com a lei aprovada, os psicólogos podem tratar a homossexualidade como uma característica patológica e reversível.

De acordo com a OMS - Organização Mundial de Saúde, a homossexualidade não pode ser considerada uma doença, logo não é passível de cura.

Mesmo com a aprovação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, o texto ainda precisa ser votado pelas comissões de Seguridade Social e Família e de Constituição e Justiça, depois pelos deputados federais e, por último, pelo Senado, para ser então validado.

Você pode ler a proposta completa e formar a sua opinião. O que você pensa sobre o assunto?

Geral
Carreira promissora, pilotagem de drone chega a pagar R$ 25 mil/mês nos EUA

Os drones surgiram para uso militar, mas agora os veículos aéreos não tripulados são utilizados para outras atividades: para entregas de compras, para fertilização e irrigação na agricultura e para filmagem de eventos, por exemplo. Um aparelho custa por volta de R$ 8 mil.

Controlados remotamente como um aeromodelo, os drones surgiram no século XIX, mas sua utilização ficou popular no fim do século passado, na área militar: um caso famoso foi o ataque da Força Aérea israelense ao Exército sírio em 1982, durante a guerra entre os dois países.

Por conta da popularização, os drones abrem um campo de trabalho promissor: pilotos treinados para controlar esses aparelhos chegam a ganhar até US$ 100 mil/ano nos EUA, (R$ 25 mil por mês). No Brasil, um profissional do ramo pode ganhar em torno de R$ 8 mil mensais.

Tanto nos EUA quanto no Brasil ainda não existe regulamentação para o uso dos VANT. O uso comercial foi proibido na terra do tio Sam. Já aqui em terras brasileiras, a opção foi por seguir a legislação que rege o uso de aeromodelos.

Ainda não há um curso com regulamentação oficial para quem quer ser piloto. Mas o aquecimento do mercado de drones faz com que algumas empresas forneçam treinamento para quem quer pilotar as aeronaves não tripuladas. O que acha da ideia?

Fonte

Geral
Anônimo

Anônimo

Por conta da evolução, essa linda.

Não só barba, mas índios brasileiros mal têm pelos no corpo. Os ancestrais deles eram como todos os ancestrais: peludos. Todavia, os índios brasileiros viviam em regiões muito quentes, com florestas densas e úmidas. Logo, quem tinha mais pelos acumulava mais umidadee ficava suscetível a desenvolver mais doenças. Além do que, os lisinhos ainda nadavam e corriam melhor, se dando bem na caça. Logo, os com menos pelos se tornavam os mais fortes, mais saudáveis, tinham uma vida mais longa, atraiam mais fêmeas e perpetuaram seus genes pelados.

Geral
Na Copa do Mundo da obesidade, a campeã é a Arábia Saudita

Continuando a nossa série de posts sobre a Copa do Mundo (já se passaram 8 dos trinta dias), vamos falar de um título que não é muito saudável de se ostentar: o de campeão mundial da obesidade. Por esse critério, o campeão mundial é a Arábia Saudita. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, cerca de 70% da população do país do Oriente Médio está acima do peso.Para comparação, o último colocado, Japão, tem menos de 35% de obesos.

Na cola dos sauditas, em segundo lugar, estão os mexicanos. A medalha de bronze fica com os australianos e a Inglaterra seria a última semifinalista, ficando em quarto lugar na Copa do Mundo da Obesidade. O Brasil é o 82o país com mais obesos no mundo - cerca de 53% dos brasileiros estão acima do peso. Essa taxa coloca o Brasil no 25o lugar entre as 32 seleções participantes da Copa do Mundo.

Fonte