Geral
Anônimo

Anônimo

Pq era uma mensagem cifrada contra o imperador Nero. Por essa vc não esperava, né? Pois é.

Não, esta não é uma teoria da conspiração lunática, mas sim o resultado de estudos teólogicos. Vamos ao que interessa: como assim, Nero? Primeiramente, temos que levar em conta que a Bíblia não foi escrita toda de uma vez. O trecho do livro Apocalipse que faz menção ao número 666 foi concluído no final do século I e é o seguinte: "Quem tiver discernimento calcule o número da besta, pois é número de homem; e o seu número é seiscentos e sessenta e seis" Apocalipse, 18:13.

Lendo atentamente, fica bem claro que o autor diz que é um número, referente a um homem, que precisa ser calculado. Beleza, vamos lá:

1º dado: o imperador Cesar Nero governou Roma de 54 a 68 e perseguiu violentamente o povo cristão.

2º dado: 7 é o número da perfeição. O que vem antes dele não é perfeito. Logo, 6 é o número da imperfeição. Ainda segundo o livro Gênesis, foi no sexto dia que Deus criou o homem. Portanto, 6 também é o número do homem. E o próprio trecho apocalíptico deixa claro estar se referindo a um homem. Sendo 3 o número da santíssima trindade (pai, filho e espírito santo), o número 6 repetido três vezes significa um homem imperfeito que se equivale ao próprio Deus e o anfronta, ou seja, o Anticristo (Nero executou centenas de cristãos por se recusarem a adora-lo como um deus). 

3º dado: (agora vc vai ficar de cara): agregando os devidos valores numéricos a cada letra do nome original do imperador NVRN RSQ (o alfabeto hebraico só usava consoantes), dá 666.  o.O  Como uma parcela mínima dos nossos leitores falam hebraico, mostramos a conta: N(50) + V(6) + R(200) + N(50) + R(200) + S(60) + Q(100) = 666.

O número 666 foi uma forma cifrada que o povo cristão encontrou para se referir ao imperador sem que fossem descobertos, disseminando a idéia de que ele era o Anticristo em carne e osso mas que todos deveriam ser resistentes e fiéis porque, no final das contas, o povo cristão venceria. 

Portanto, se vc acredita que gritar o número é praticamente invocar o Diabo, está enganado. Você só está gritando o nome do imperador mais insano de Roma.

Abaixo, a lista com os valores de cada letra do alfabeto hebraico. Parafraseando a bíblia, "quem tiver discernimento, calcule o número da besta". ;-) 

Alef = 1; Bet = 2; Guimel = 3; Dalet = 4; He = 5; Vav = 6; Zayin = 7; Chet = 8; Tet = 9; Yod = 10; Kaf = 20; Lamed = 30; Mem = 40; Num = 50; Sameq = 60; Ayin = 70; Pe = 80; Tsadi = 90; Kof = 100; Resh = 200; Shin = 300; Tav = 400.
--
Livros relacionados:

-A Besta, de Roslund e Hellström
"Uma história perturbadora e profundamente chocante sobre o que pode ocorrer quando tomamos a justiça em nossas mãos."

-Marca, A Besta Controla o Mundo, de Tim Lahaye e Jerry B. Jenkins
"Após uma atordoante sequência de eventos, o líder mundial Nicolae Carpathia, depois de ressuscitar, assume seu lugar no mundo como o Anticristo."

- A Besta Humana, de Émile Zola
"Zola é considerado fundador do naturalismo, ler suas obras é fundamental, dado que são clássicos da literatura. A Besta Humana é um dos que devem ser lidos por quem ama romances de qualidade."

Literatura
Samara Dias Ferreira

Samara Dias Ferreira

Não há um consenso sobre o número exato de muitos dos livros considerados os mais vendidos da história, mas fizemos um levantamento levando em conta dados de várias matérias e institutos de pesquisa especializados para trazer uma lista com os 20 livros mais vendidos de todos os tempos:

20 - O Apanhador no Campo de Centeio
Foi publicado inicialmente em formato de revista, entre 1945-1946 nos EUA, mas devido ao sucesso, foi editado no formato de livro em 1951. Escrito por J. D. Salinger, já vendeu aproximadamente 50 milhões de cópias. A obra é sobre um garoto de 16 anos que, em primeira pessoa, relata suas experiências durante os tempos de escola.

19- Harry Potter e a Câmara Secreta
Escrito por J. K. Rowling e lançado em 1998, o segundo livro da série sobre o estudante de bruxaria de Hogwarts vendeu cerca de 60 milhões de cópias até 2012.

18 - O Código Da Vinci
O eletrizante romance policial do escritor norte-americano Dan Brown, publicado em 2003, vendeu mais de 65 milhões de exemplares. O livro trata de temas polêmicos como o questionamento da divindade de Jesus Cristo, o Priorado de Sião e o Opus Dei.

17 - Harry Potter e o Enigma do Príncipe
Também na casa dos 65 milhões de cópias vendidas, o sexto livro da série escrita por J. K. Rowling foi lançado em 2005.

16 - Ela, a Feiticeira
Com cerca de 70 milhões de exemplares vendidos no mundo, a obra do britânico Henry Rider Haggard, publicado em 1887, narra as aventuras de dois amigos que encontram uma civilização perdida em uma região inexplorada da África.

15 - O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa
Estima-se que este romance de literatura fantástica tenha vendido cerca de 80 milhões de cópias desde sua publicação em 1950 até 2012. Escrito por C.S. Lewis, é o primeiro e mais conhecido livro da série As Crônicas de Narnia, composta também por Príncipe Caspian, A Viagem do Peregrino da Alvorada, O Trono de Prata, O Cavalo e seu Menino, O Sobrinho do Mago e A Última Batalha. No Brasil, a edição mais conhecida da série é As Crônicas de Narnia – Volume Único, que reúne todos os volumes em um só livro.

14 - O Sonho da Câmara Vermelha
Publicada no século 18 por Cao Xueqin, a obra que vendeu cerca de 85 milhões de exemplares, retrata a aristocracia chinesa e é um dos maiores clássicos da literatura oriental.

13 - E Não Sobrou Nenhum
Considerado o maior clássico moderno das histórias de mistério, E Não Sobrou Nenhum é o livro mais vendido de Agatha Christie, com cerca de 95 milhões de cópias. A obra publicada em 1939, narra a história de 10 pessoas que são convidadas para passar um fim de semana numa ilha, onde são acusadas por uma voz misteriosa de crimes ocultos do passado. No Brasil, o livro também já foi publicado sob o título de O Caso dos 10 Negrinhos.

12- Harry Potter e a Pedra Filosofal
Um dos maiores fenômenos literários de vendas em curto espaço de tempo, estima-se Harry Potter e a Pedra Filosofal tenha vendido mais de 110 milhões de cópias desde o seu lançamento em 1997 até o ano de 2012. O sucesso do bruxinho moderno fez a autora J. K. Rowling ser considerada uma das mulheres mais ricas do mundo, ultrapassando inclusive a fortuna da Rainha da Inglaterra.

11 - O Livro de Mórmon
Assim como a Bíblia, o Livro de Mórmon é uma coleção de pequenos livros e é chamado pelos mórmons de "O outro testamento de Jesus Cristo". Já vendeu mais de 120 milhões de cópias. A a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias compra e distribui o livro gratuitamente a quem se cadastra em seu site.

10 - O Senhor dos Anéis

O livro de J.R.R. Tolkien foi publicado em três volumes, entre 1954 e 1955, e vendeu até 2012 cerca de 150 milhões de exemplares. Trata-se de um romance fantástico sobre o conflito entre raças imaginárias para evitar que um anel poderoso volte às mãos de seu criador, o senhor do escuro.

9 - O Pequeno Príncipe
Lançado na frança em 1943, estima-se que O Pequeno Príncipe, do francês Antoine de Saint-Exupéry, tenha vendido mais de 170 milhões de cópias. A obra é uma das mais traduzidas da história da literatura.

8 - Um Conto de Duas Cidades

Estima-se que o romance histórico de Charles Dickens tenha vendido cerca de 190 milhões de cópias. O livro foi lançado em 1859 e cobre o intervalo de tempo entre a independência americana e a revolução francesa - de 1775 a 1793.

7 - O Conde de Monte Cristo
Escrito por Alexandre Dumas, o mesmo autor de Os Três Mosqueteiros, O Conde de Monte Cristo foi publicado em 1844 e até 2012, vendeu aproximadamente 250 milhões de cópias. A obra conta a história de um marinheiro encarcerado injustamente, que consegue fugir da prisão e trama um plano para se vingar daqueles que o prenderam.

6 - Xinhua Zidian
É o mais popular dicionário de chinês, que ocupa o sexto lugar com mais de 400 milhões de cópias vendidas.

5- Dom Quixote
O livro do espanhol Miguel Cervantes, publicado em 1605 teve mais de 500 milhões de cópias vendidas. A obra narra as aventuras imaginárias de Sancho Pança e Dom Quixote de La Mancha.

4- O Alcorão
Estima-se que mais de 800 milhões de cópias do livro sagrado do Islã tenham sido vendidas. A palavra Alcorão deriva do verbo árabe que significa declamar ou recitar.

3- O Livro Vermelho
Com 900 milhões de exemplares vendidos, O Livro Vermelho traz uma série de citações do ditador chinês Mao Tsé-Tung, em uma forma de culto à sua personalidade. Há um motivo histórico curioso para este livro ser o terceiro mais vendido da história. Além de o governo chinês já ter subsidiado sua distribuição, durante a Revolução Cultural era uma exigência "não oficial" para todo cidadão chinês possuir um exemplar do livro.

2- O Peregrino
Também na casa dos 900 milhões de unidades vendidas, é um clássico da literatura religiosa escrito pelo pastor John Bunyan. Lançado em 1678, estima-se que foram vendidas mais de 900 milhões de cópias.

1 - A Bíblia Sagrada
Ocupa o primeiro lugar com folga. Com cerca de 6 bilhões de exemplares vendidos, sozinha teve mais cópias comercializadas do que os outros 19 da lista. De acordo com a Sociedade Bíblias Unidas, a Bíblia já foi traduzida para pelo menos 2.500 línguas e dialetos.

Você já leu algum livro da lista? Quais?

Veja a lista com os livros mais vendidos deste ano e se quiser, conheça o nosso projeto de incentivo a leitura.

Geral
Gabriel Miranda

Gabriel Miranda

Ao contrário da maioria das línguas, que deriva os nomes dos dias da semana de deuses gregos ou nórdicos, em português é meio sem graça: ordem numérica mesmo - segunda é o segundo dia, terça é o terceiro e assim vai até sexta. Sábado vem do termo hebreu sabbath, o sagrado sétimo dia, quando Deus descansou e domingo vem do latim "Dies Dominic", que significa "Dia do Senhor". Por isso que não trabalhamos nesses dias - são biblicamente reservados. Já o termo "feira" é mais interessante:

Na cidade portuguesa de Braga, o bispo já havia instituído que, na semana santa (aquela que antecede a Páscoa), os dias deveriam ser acompanhados da palavra "feira" ou "feria", que significa "descanso", "feriado". Então, quando aboliram os nomes pagãos e substituíram pelos numéricos, aproveitaram para oficializar o "feira" mesmo.

Geral
O que os Coríntios da Bíblia tem a ver com o Corinthians do futebol?

Até o século V a.C, Corinto era uma cidade de segunda divisão na Grécia Antiga. Apesar de ter boas relações comerciais, não chegava nem aos pés de Atenas (uma espécie de Real Madrid das cidades gregas). Só quando Atenas entrou em guerra com sua maior rival, Esparta (o Barcelona), é que a cidade pode organizar sua liga política. Dessa liga, surgiu o mais famoso imperador da antiguidade: Alexandre Magno. Um conquistador megalomaníaco, que saiu dos confins da Macedônia para conquistar quase a totalidade do mundo conhecido à época.

Ele conquistou a Mesopotâmia, o Egito, o Afeganistão e grande parte da Europa. Mas era meio maluco: quem seria capaz de encarar uma manada de elefantes numa batalha num reino desconhecido. Os generais de Alexandre estavam com medo, mas ele resolveu adentrar a Índia: cinco mil elefantes esperavam quem ousasse entrar no vale do rio Ganges. Isolada, a Índia não sofreu influência do Ocidente até quase o fim do século XIX. Ela se tornou um território governado pelos ingleses, a potência global da época.

Com a Revolução Industrial, os ingleses tinham mais dinheiro que o resto do mundo somado, impactando todas as áreas de atividade humanas. Reflexo disso foi o surgimento de um time que goleou o hoje famoso Manchester United por 11 a 3: o Corinthians. Numa excursão ao Brasil, o time inglês impressionou ao golear o Palestra Itália (hoje Palmeiras) e inspirou um grupo de operários paulistas a batizar seu time de Corinthians. Era uma homenagem do timaço inglês ao povo daquela cidade grega de segunda divisão. Ou seja, uma ligação de 2500 anos...

Fonte