Instagram

Mais de 60% do corpo de um ser humano adulto é composto de água. Água é fundamental para o bom funcionamento do organismo, para o transporte dos nutrientes, regulação da temperatura corporal, entre outras funções.

Segundo publicação de Mariana Varella, editora do Portal Drauzio Varella, é mito dizer que precisamos tomar 2 litros de água por dia, pois na verdade, a quantidade de água a ser ingerida depende de uma série de fatores que vão desde a quantidade de exercício realizada até a temperatura do ambiente que estamos. Por exemplo: quem corre todos os dias necessita de mais água do que alguém que faz caminhadas três vezes por semana.

Nível de atividade física: Quem corre todos os dias necessita de mais água do que alguém que faz caminhadas três vezes por semana. Portanto, quanto mais intensa a atividade física realizada, maior a quantidade de água necessária. Também é importante tomar água durante e depois das atividades físicas.

Clima: Quem mora em cidades quentes precisa de mais água do que quem mora em locais mais frios. Também precisamos de mais água no verão, quando suamos mais e, portanto, perdemos mais água, do que no inverno.

Metabolismo: Quem tem um metabolismo mais acelerado necessita de mais água do quem tem o metabolismo mais lento.

Peso: Uma pessoa de 100 kg precisa de mais água do uma de 50 kg. Quanto maior o peso, maior a necessidade de água.

Dieta: Se você ingere muito sal, vai precisar de mais água do quem come mais frutas e verduras, que são ricas em água.

Estado geral: Algumas condições físicas interferem na necessidade de água. Se você tiver febre, por exemplo, deverá aumentar a ingestão de líquidos. A mesma dica vale para quem apresentar episódios de diarreia ou vômitos. Para repor o líquido perdido, opte por caldos e sopas em vez de líquidos açucarados. Algumas doenças, como insuficiência renal, por exemplo, exigem limitação da quantidade de água ingerida.

Consumo de álcool: Se for ingerir álcool, procure alternar a bebida alcóolica com água. A dica é tomar um copo de água depois de cada drinque, já que o álcool ajuda a desidratar o organismo.

Segundo Varella, que é formada em Ciências Sociais pela USP e atua na área de jornalismo de saúde, com foco em saúde da mulher, para que não reste dúvidas, observe a frequência com que você urina e a cor da sua urina. O ideal é que ela seja amarelo-clara. Se a urina estiver amarelo-escura e com odor forte e você estiver indo menos vezes do que costuma ao banheiro, é sinal de que está ingerindo pouca água. Tome dois copos de água para se hidratar. Por outro lado, se estiver urinando muito e a urina estiver límpida, transparente, provavelmente você está ingerindo água em excesso. Tomar muita água, além da necessidade, pode causar diluição do sangue e, em casos extremos, do sódio no organismo.

O consumo de água em excesso, segundo estudo da Universidade Monash, ativa um mecanismo de proteção no cérebro que inibe o ato de engolir. Ao forçar a ingestão do líquido, essa proteção é ultrapassada e há um risco de intoxicação.

Os resultados do estudo mostraram que beber água quando não estamos com sede exigiu um esforço três vezes maior para engolir do que a ingestão do líquido logo após o exercício. Nesse momento, a parte do cérebro mais ativa foi a área pré-frontal direita. Os pesquisadores acreditam que essa região entra em cena para substituir o mecanismo de proteção e permitir que consigamos engolir a água.

Fontes 1 e 2