Geral
Fabiana Eisele

Fabiana Eisele

Vários, em especial (mas não exclusivamente) insetos, bactérias e animais que vivem embaixo da terra. A maioria são ou possuem hábitos muito bizarros e/ou nojentos! Vamos aos 5 mais prováveis sobreviventes:

1- Tardigrada

Também conhecido como “urso d’água”, esse bichinho tem super-poderes de dar inveja a muito herói da Marvel.

Ela é pequena, tem algo entre 0,3 e 0,5 milímetros, mas fica de boa sob temperaturas acima de 150º C e abaixo de -200º, aguenta pressão equivalente a seis mil vezes a atmosfera terrestre e é mil vezes mais resistente à radiação do que seres humanos.

Ela pode viver no fundo dos mares tropicais ou na neve que fica no topo de montanhas geladas. Basta ter umidade que ela se adapta.

Uai Interessante, vc não disse que ela era fodona? Quer dizer que se não tiver umidade ela morre?” Morre nada! Quando está em ambiente seco, ela é capaz de praticamente desligar seus processos biológicos, ficando quase morta, porém viva. Neste caso, ela fica praticamente toda desidratada e com o metabolismo funcionando a 0,01% da sua intensidade. Depois é só usar Monange q hidrata?

Para você ter uma ideia, em 2007 a Agência Espacial Europeia expôs uma colônia de Tardigradas ao espaço por dez dias e todas, ABSOLUTAMENTE TODAS voltaram vivinhas da silva. Mas ela vive muito mais que isso fora de seu habitat. Tardigradas presentes em musgo seco guardadas em um museu por mais de 100 anos já foram reanimados com um pouquinho de água.


2- Barata

Ok, baratas são sempre citadas, mas não há como escapar dessas nojentas. Elas podem regenerar partes dos seus corpos, segurar a respiração por até 40 minutos, seu cérebro está espalhado por todo o corpo (então não adianta arrancar a cabeça, ela vai continuar viva até morrer de fome!) e podem viver sem água por vários dias.

3- Mummichog

Este peixe, que vive na costa leste da América do Norte, é um forte candidato a sobrevivente de uma guerra nuclear por conta da sua habilidade de ativar e desativar um número considerável de genes, de acordo com o meio ambiente em que se encontra. Além disso, a evolução e transformação das gerações de mummichogs se dão de uma forma muito rápida, o que diminui o risco de condenação da espécie.


4- Lingula

Essa espécie de braquiópode já sobreviveu a todas as cinco extinções em massa que ocorreram na história do planeta Terra. Em momentos difíceis, ela consegue escavar profundamente e se esconder, essa danada.


5- Humanos

Por essa você não esperava, né? Bom, é claro que em um ataque nuclear muita gente vai morrer, mas é provável que ficarão alguns para contar a história e perpetuar a espécie.

Ainda que não tenhamos as vantagens super-poderorsas das tardigradas, a comunidade científica acredita que a principal vantagem evolutiva da humanidade – o cérebro - garante a sobrevivência da raça humana em uma situação como essa.

"Por que?"

Você não deve se lembrar dessa época pq faz muito tempo - uns 65 milhões de anos - mas cerca de 85% dos animais, incluindo dinossauros, desapareceram da terra na extinção do Cretáceo-Paleogeno, devido a um ataque de meteoros (teoria mais aceita até o momento).

Acredita-se que muitos animais até sobreviveram ao ataque em si, mas não foram capazes de se manter vivas com as alterações drásticas no habitat daqui. É aí que entra o cérebro. Um estudo feito com animais voadores descobriu que somente espécies de aves com maior cavidade cerebral sobreviveram a esta ocasião. Como eram mais inteligentes, conseguiram se adaptar melhor à nova realidade do planeta e perpetuar a espécie.

Ok, tudo depende do tamanho do estrago deste possível/hipotético ataque nuclear, mas é bem possível que alguns grupos de humanos encontrem um jeito de sobreviver.

Espero que todos os sobreviventes sejam nossos leitores e que sobrem inseticidas para acabar com as baratas que restarem.

Comentários (
0
)