Geral
Vinícios Simmões

Vinícios Simmões

Tudo começou na Santa inquisição, onde além de bruxas, magos, ruivos, homossexuais, judeus e muçulmanos, os gatos também eram considerados coisa do tinhoso. 

O Papa Gregório IX, que fundou a Santa Inquisição em 1232, afirmava na bula Vox in Roma que o diabólico gato preto, “cor do mal e da vergonha”, tinha vindo ao mundo para a infelicidade dos homens. Como os druidas e bruxos viviam isolados e rodeados por muitos gatos, a Igreja começou a associar os gatos às trevas, devido aos seus hábitos noturnos, e afirmava terem parte com o demônio, principalmente os de cor preta. E a única forma de acabar com os gatos pretos era acabar com TODOS os gatos. Tadinhos! ;-(


Por mais que eles tentassem exterminar os gatinhos, eles continuavam rondando por ali, já que os amantes dos felinos criavam gatos em segredo, impedindo que a espécie desaparecesse. Foi assim que os inquisidores tiveram ainda mais "certeza" de que miau era canto do demônio e que por isso, teriam 7 vidas.
Clique no lugar errado e volte à primeira dica (...)
Mesmo com muitos protetores, foi inevitável que a quantidade de gatos diminuísse drasticamente. E de acordo com muitos historiadores, este fato está diretamente ligado à maior pandemia de Peste Bulbônica da história. Também conhecida como Peste Negra, a Peste Bulbônica dizimou mais de um terço da população européia entre os anos 1347 e 1350. Ela era causada pela bactéria Yersinia pestis, residente no pulga Xenopsylla cheopis que por sua vez habitava no rato preto indiano Rattus rattus.
Clique no lugar certo e chegue à próxima dica (...)
A recuperação na população de gatos teria sido decisiva para o controle da peste, mas há estudiosos que discordem do fato. Uma outra versão é que os gatos teriam 7 ou 9 vidas em decorrência da habilidade que esses felinos possuem para escapar de situações que envolvam risco à sua vida.
Não seja óbvio.

Comentários (
0
)