Geral
Mateus Soares

Mateus Soares

Pelo bater de asas das borboletas. Brinks. Desde as correntes oceânicas de ar até a brisa que mexe a janela, todas são causadas pelo clima e pressão atmosférica. 

Bom, todos sabemos que o ar quente sobe e o ar frio desce, certo? Então, para explicar a formação dos ventos, vamos pegar uma geladeira comum como exemplo. Os congeladores (ou freezers) geralmente estão na parte superior das geladeiras por um motivo muito simples: o ar frio desce. Fazendo isso, ele vai resfriando todo o interior da geladeira até chegar lá embaixo e não estar mais tão gelado (por isso que os vegetais ficam lá, pois o frio extremo os danifica). Daí, como esta mais quente, ele sobe. Lá em cima, reencontra o congelador e desce, formando um ciclo vicioso. Esse deslocamento forma uma corrente de ar. Claro que lá dentro existe pouco espaço, por isso que, ao abrir a geladeira, os alimentos não voam sobre você com uma ventania. 

Agora, imagine essa geladeira um tantinho maior. Tipo, da metade da Terra. O congelador são pólos e a parte dos legumes, a linha do Equador. Aí as coisas ficam mais sérias. Mas, ainda assim, pq os ventos então não são sempre na mesma direção: Pólo <---> Equador? Pq a Terra faz muitas coisas que uma geladeira não faz. Entre elas, a rotação. Com a superfície do planeta se movendo, os ventos não só acabam se deslocando na diagonal como as variações de temperatura. Encontros e choques com outras correntes e acidentes geográficos também colaboram para a variação de direções e potência. Além disso, há movimentações menores. Dentro de uma cidade mesmo existem deslocamentos de massas de ar de uma região quente (um lugar com muitos carros, por exemplo) para uma mais fria (tipo uma represa).

Enfim, são tantas intervenções que alteram as correntes de ar que, segundo a Teoria do Caos, até o bater de asas de uma borboleta pode culminar num tornado. Mas aí é outra história.

Comentários (
0
)