Geral
Um homem atual tem menos férias que um camponês medieval

A vida de um camponês medieval não era fácil: fome, doenças e guerras eram ameaças constantes. A dieta e higiene pessoal à época também deixavam a desejar. Mas um aspecto da vida medieval era invejável: as férias. Um camponês desfrutava de 8 semanas a 180 dias livre. Para evitar a rebelião dos camponeses, a Igreja impôs feriados obrigatórios. Casamentos, velórios e nascimentos causavam até uma semana de festejos. Havia domingos sem trabalho e eventos esportivos geravam folga. Quando a lavoura e colheita terminavam, havia descanso.

Segundo a economista Juliet Shor, durante períodos de salários altos, como a Inglaterra do século XIV, os camponeses não trabalhavam mais de 150 dias por ano. E trabalhador atual? Depois de um ano no trabalho, ele tem 11 dias de feriado por ano, mais os 30 dias de férias. Isso é diferente do que economistas do passado previram. Keynes apostava que, até 2030, as sociedades seriam ricas o suficiente para termos mais tempo de lazer do que de trabalho. Mas há quem comemore as 40h semanais atuais contra as 80h do século XIX.

Volte 400 anos no tempo e você verá que a maioria das pessoas não trabalhou muito. O ritmo de vida era mais lento e o trabalho, menos estressante. Além de relaxar durante as férias prolongadas, o camponês medieval comia calmamente e tinha tempo para uma soneca após o almoço. Alguns culpam o trabalhador por não lutar por direitos. Em tempos de precarização do trabalho, não há opção senão aceitar as condições impostas pelo empregador. Com isso, emprego fixo, férias e aposentadoria podem virar apenas lembranças num futuro não muito distante.

Crises econômicas fazem os defensores da austeridade quererem cortar as folgas. O culto ao trabalho constante guarda uma ironia: excesso de trabalho reduz a produtividade. Por outro lado, o desempenho aumenta após as férias. Segundo a OCDE, os gregos, cuja economia é a pior da Europa, trabalham mais horas do que qualquer outro europeu. Já os alemães, com a economia mais rica, ocupam o penúltimo lugar em horas trabalhadas.

Menos folgas prejudicam nossa saúde e relacionamentos. O economista Robert Reich, defende uma semana útil de 3 dias. Havia um projeto de lei no Congresso dos EUA sobre o tema. Só os parlamentares gozam de uma vida medieval, pelo visto: eles ficam mais de 200 dias em férias.

Fonte

Geral
Padre Cícero e o milagre que o racismo não conseguiu apagar

Padim Ciço é uma das figuras mais mitológicas que existe no Brasil e seu legado que ainda é vivo no Nordeste nem sempre é celebrado em outras regiões do país. Este post vai contar um capítulo emblemático que revela o racismo da igreja romana no Ceará.

A história começa em Joazeiro (como se escrevia na época), não era nem cidade, era um povoado em meio aquele sertão do Cariri, castigado e habitado por no máximo 60 casas de taipa cobertas de palha. Teria Jesus aparecido em sonho para ordenar que o pároco cuidasse do povo.

Lá começou o seu trabalho que nunca foi apenas ligado a religião, ele ajudou o povoado a crescer, atraindo cada vez mais as famílias. Posteriormente foi responsável pela emancipação do local que hoje é um dos 3 maiores centros de peregrinação do Brasil.

Certa vez, em 1889 durante o ritual católico da comunhão, a hóstia sangrou na boca de uma beata bastante conhecida por Padre Cícero Romão Batista. O fenômeno que seria milagre para o povo, se tornou uma perseguição para o Padim por conta da igreja.

Fosse uma vez apenas, essa história não teria chegado até nós. Mas o possível milagre se repetiu outras vezes. E, claro, chamou a atenção de todos. Quando o Bispo do Ceará se deu conta, gente de Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte já se deslocavam para ver a beata.

Maria de Araújo não era ordenada uma freira, mas passou a ter uma vida de religiosidade após um seminário do próprio Padre Cícero e se tornou uma mulher de confiança, determinada em sua fé, simples como o povo daquela região. Não sabia como lidar com a atenção do povo.

Beata Maria de Araújo

Vários médicos da cidade investigaram o caso, incluindo o doutor Marcos Rodrigues Madeira que publicou no jornal “O Cearense” um atestado de sobrenaturalidade para o ocorrido. Muitas pessoas procuravam o sangue para tentar curar suas feridas.

Um processo foi instaurado dentro da igreja e Maria de Araújo foi interrogada por vários homens descrentes de que Deus se manifestaria por “uma mulher, preta”. Todos exigiam de Padim Ciço uma declaração desmentindo o milagre.

Vale ressaltar que esse caso aconteceu em praticamente um ano após a Lei Áurea, que teria oficializado para o governo a abolição da escravatura. O racismo impregnado na sociedade brasileira ainda se alastrava em todas as esferas sociais.

Após alguns meses Padre Cícero teve que lidar com o Arcebispado do estado que exigia que ele desmentisse o ocorrido. Maria recebeu ordens para deixar Juazeiro e a companhia de Cícero. Passou a viver na Casa de Caridade do Crato - povoado vizinho.

Deixada de lado, a beata foi desaparecendo dos registros históricos de Juazeiro e o Padre foi proibido de celebrar missas, às sanções sobre ele o desligaram completamente da Igreja Católica, mas o povo já o seguia como um santo vivo na Terra.

Como mulher e indefesa, Maria de Araújo se viu desamparada e empurrada para a marginalidade histórica. A simples menção do seu nome nas celebrações do povoado era considerado um crime eclesiástico. Foi punida por não “desmentir” o fenômeno que aconteceu dezenas de vezes.

Capa Cordel Milagre do Padre Cícero e Maria de Araújo - Autor: Severino José da Silva (Severino do Horto) - Ano: 1991 - Xilogravura da capa da reedição (Editora IMEPH, 2012): José Lourenço

Foi enviada a um convento em Fortaleza, para ficar incomunicável, mas logo os fiéis descobriram e a procuraram. Novamente foi levada para longe, no sertão, onde adoeceu enclausurada. Alguns acreditam que foi envenenada.

Padre Cícero ainda teve muita história, se tornou prefeito da cidade e foi eleito Deputado Federal (mas não assumiu), em 2006 o Vaticano anunciou o perdão e a reconciliação do Santo popular que arrasta até hoje milhões de fiéis para o sertão.

Romaria do Padre Cícero em Juazeiro do Norte - CE.

Infelizmente a Beata Maria de Araújo não dispõe da mesma sorte, a igreja não se manifestou sobre a sua reconciliação. Após ser sepultada em 1914, teve seu túmulo violado por ordens de Bispo de Crato, tudo foi destruído e seus ossos desapareceram para evitar peregrinações.

O povo nunca esqueceu de Maria Magdalena do Espírito Santo de Araújo e até hoje surgem histórias de pessoas encontrando seu possível local de enterro, talvez seja esse o maior milagre no meio de uma época marcada pelo racismo religioso.

Fontes: 1, 2, 3, 4, 5 e 6

Geral
O carro de Ferris Bueller pode ser seu: vão leiloar a Ferrari de Curtindo a vida adoidado

Um dos filmes mais exibidos na Sessão da Tarde, Curtindo a vida adoidado, de 1985, conta a história de Ferris Bueller, um estudante colegial que resolve cabular aula com sua namorada e seu melhor amigo, Cameron. Um dos ícones do filme é o carro do pai de Cameron, uma Ferrari 250 GT California. Segundo o filme, o pai de Cameron teria passado três anos reformando o carro - menos de 100 dessas Ferraris iguais a essa foram produzidas.

Por conta do filme, estrelado por Matthew Broderick, o carro ganhou uma enorme popularidade entre os colecionadores de automóveis antigos. Se você tem dinheiro, está procurando um novo carro e entende a dor de Ferris ao ver que o pai de Cameron deixava aquele bólido encostado na garagem, esta é a sua chance: o carro usado no filme irá a leilão no estado de Wisconsin (norte dos EUA) entre os dias 23 e 25 de agosto.

Fonte

Geral
O que os Coríntios da Bíblia tem a ver com o Corinthians do futebol?

Até o século V a.C, Corinto era uma cidade de segunda divisão na Grécia Antiga. Apesar de ter boas relações comerciais, não chegava nem aos pés de Atenas (uma espécie de Real Madrid das cidades gregas). Só quando Atenas entrou em guerra com sua maior rival, Esparta (o Barcelona), é que a cidade pode organizar sua liga política. Dessa liga, surgiu o mais famoso imperador da antiguidade: Alexandre Magno. Um conquistador megalomaníaco, que saiu dos confins da Macedônia para conquistar quase a totalidade do mundo conhecido à época.

Ele conquistou a Mesopotâmia, o Egito, o Afeganistão e grande parte da Europa. Mas era meio maluco: quem seria capaz de encarar uma manada de elefantes numa batalha num reino desconhecido. Os generais de Alexandre estavam com medo, mas ele resolveu adentrar a Índia: cinco mil elefantes esperavam quem ousasse entrar no vale do rio Ganges. Isolada, a Índia não sofreu influência do Ocidente até quase o fim do século XIX. Ela se tornou um território governado pelos ingleses, a potência global da época.

Com a Revolução Industrial, os ingleses tinham mais dinheiro que o resto do mundo somado, impactando todas as áreas de atividade humanas. Reflexo disso foi o surgimento de um time que goleou o hoje famoso Manchester United por 11 a 3: o Corinthians. Numa excursão ao Brasil, o time inglês impressionou ao golear o Palestra Itália (hoje Palmeiras) e inspirou um grupo de operários paulistas a batizar seu time de Corinthians. Era uma homenagem do timaço inglês ao povo daquela cidade grega de segunda divisão. Ou seja, uma ligação de 2500 anos...

Fonte

Geral
Acabou o peixe nos mares da Europa: abastecimento até o fim de 2018 será suprido com importações

Desde 9 de julho, “a Europa depende do pescado importado” para suprir a demanda de peixe do continente, de acordo com estudo realizado pela New Economics Foundation (NEF). A WWF Portugal alerta para “o estado dramático dos nossos oceanos”: um terço do peixe e marisco em nível mundial estão sobre-explorados. A Comissão Europeia indica que 41% das populações de pescado avaliadas no Atlântico são alvo de sobrepesca. Em Portugal, a demanda ultrapassou a oferta já em 5 de maio.

A antecipação tem uma razão clara: Portugal é o maior consumidor europeu de peixe. Cada português come em média 55,3 kg de pescado por ano, seguido de Espanha (46,2 kg), Lituânia (44,7 kg), França (34,4 kg) e Suécia (33,2 kg). Somente esses cinco países respondem por 33% do consumo europeu. Cada europeu consome 22,7 kg de pescado por ano e só Croácia, Holanda e Irlanda se mostram autônomos. Muitas espécies sofrem sobrepesca, diz a WWF.

Ângela Morgado, diretora-executiva da organização ambientalista em Portugal lembra que “mais de 800 milhões de pessoas em todo o mundo encontram uma fonte de alimento, de rendimento e de subsistência na pesca e na aquicultura”. Mas já não há peixe para tanta boca. O consumo de pescado na Europa cresceu 3,2%, o dobro do crescimento populacional. Metade do peixe consumido no Velho Continente vem de países em desenvolvimento.

Fonte

Geral
Pivô da NBA, espanhol Marc Gasol ajuda em resgate de refugiada no Mediterrâneo

O pivô espanhol Marc Gasol, que joga no Memphis Grizzlies da NBA, participou nesta terça-feira (17) do resgate de uma mulher camaronesa que viu seu barco naufragar enquanto tentava cruzar o Mar Mediterrâneo para chegar até a Europa, em uma ação da ONG Open Arms. "Frustração, raiva e muita impotência. Inacreditável como tantas pessoas vulneráveis são abandonadas para morrer no mar. Admiração profunda por estes que são meus companheiros de equipe nesses dias @openarms_fund", escreveu o jogador no Twitter.

Gasol conta que passou a fazer parte da Open Arms após conhecer o diretor da organização, Óscar Camps, em 2017. Gasol afirmou que as equipes avistaram uma embarcação inflável quase submersa. Ao se aproximar, ele percebeu a camaronesa se segurando em um pedaço de maneira. Ao lado estavam dela os corpos de outra mulher e uma criança. "Os colocamos na nossa lancha e depois os levamos ao navio onde os médicos a atenderam. Ela estava assustada e em choque. Dissemos que íamos ajudá-la e soubemos o nome dela", disse Gasol.

Perguntado sobre porque decidiu ajudar imigrantes, Gasol citou uma foto que em 2015 percorreu o mundo: a imagem mostrava o corpo de Aylan Kurdi, de apenas 3 anos, sendo carregado por um policial em uma praia do litoral turco. O pivô espanhol disse ter sentido "raiva" ao ver a imagem. "Esta é uma realidade vivida por muitas crianças no mundo todo. Fiquei impactado com a convicção deles em se dispor a ajudar os refugiados. Admiro as pessoas que fazem algo e não esperam que os outros façam", disse o pivô do Grizzlies.

Fonte

Geral
Adolescentes ingleses trocam sexo por relações virtuais e taxa de gravidez cai

Adolescentes estão preferindo ficar mais tempo online, com amigos e família e menos propensos a fazer sexo. O resultado? Uma queda de 60% nas taxas de gravidez de adolescentes de 15 a 17 anos no Reino Unido. O Serviço Britânico de Aconselhamento sobre a Gravidez (BPAS, da sigla em inglês) entrevistou 1 mil jovens de idades entre 16 e 18 anos, também conclui que eles estavam bebendo muito menos. Dois terços dos entrevistados disseram que nunca tiveram relações sexuais. E 25% deles nunca beberam álcool.

Os jovens britânicos parecem estar mais focados em estudo e carreira, evitando uma gravidez precoce. Mais de 80% deles querem sucesso profissional e 68% querem passar mais tempo com os amigos. Os jovens revelaram, porém, passar cinco horas online todos os dias, fora o tempo de trabalho e estudo. Isso mostra crescimento de relacões de amizade ou afetivas desenvolvida Os jovens com mais relações sociais com amigos e parceiros cara a cara são mais propensos a serem sexualmente ativos.

As taxas de gravidez na adolescência têm caído há 20 anos no Reino Unido, por conta de programas governamentais. Os jovens tiveram mais acessos a contraceptivos e educação sexual em escolas e clínicas. As ações duraram 10 anos, mas as taxas continuaram a cair após esse período. Em 1969, a taxa de concepção era de 47 por 1.000 em mulheres de 15 a 17 anos - em 2016, a taxa foi de 19. A maioria disse que sempre ou geralmente usava contraceptivos; 14% tenham afirmado que "raramente" ou "nunca" tiveram relações.

Fonte

Geral
Bairros com mais árvores têm apartamentos mais valorizados

São Paulo possui, em média, quatro árvores a cada 100 metros de via pública, de acordo com levantamento realizado pelo Grupo Zap. O ideal seria ter o dobro disso, 8 árvores a cada 100 metros, segundo o arquiteto Leonardo Junqueira. As árvores melhoram o nível térmico da cidade, pois elas retém a umidade por mais tempo. Mas há outro atrativo para o plantio de árvores: quanto mais verde numa região, mais valorizados ficam os imóveis.

Segundo a pesquisa, o campeão é o Alto da Boa Vista, com média de 15 árvores a cada 100 metros de via. O vice-campeão é o Alto de Pinheiros, com 12. Com 11 árvores, o Jardins ocupa o terceiro lugar. Os três bairros somam cerca de 30 mil das 652 mil árvores mapeadas pela Prefeitura de SP. O top 10 dos bairros mais arborizados segue com Brooklin (10 árvores), Cidade Jardim (10), Santa Cecília (10), Vila Nova Conceição (9), Pacaembu (9, Itaim Bibi (9) e Real Parque (8).

Brooklin, Jardins, Alto de Pinheiros e Itaim Bibi figuram na lista de bairros mais procurados para venda e locação. Apartamentos em bairros mais verdes custam até 10% mais. Isso aumenta também a velocidade das vendas. Regiões com mais árvores, são mais caras: os bairros mais valorizados no mercado de imóveis usados são Cidade Jardim e Vila Nova Conceição, onde o m² custa R$ 18.761,00 e R$ 17.572,00, respectivamente. Ambos estão entre as áreas mais arborizadas da capital.

Fonte

Geral
Ele caminhou 32km para não chegar atrasado no primeiro dia de trabalho: ganhou um carro do chefe

Para não chegar atrasado no primeiro dia de trabalho, Walter Carr caminhou a noite inteira. Ele decidiu percorrer, a pé, 32 quilômetros depois que o carro dele quebrou, em Birmingham, no Alabama (EUA). Um policial o levou para tomar café antes do expediente em uma empresa de mudanças após ter ficado impressionado com sua força de vontade. A história de Carr, estudante de 20 anos, viralizou nas redes sociais após o relato de uma cliente no Facebook - e o dono da empresa decidiu dar a ele um carro.

Jenny Lamey contou que estava esperando os funcionários da empresa de mudança às 8h na última sexta-feira (13) para empacotar suas coisas. Às 6h30, ouviu a campainha. Era Carr, acompanhado do policial. O policial contou que Carr tinha andado 32km para chegar ao trabalho, na cidade de Pelham. Enquanto estava ajudando com as coisas na cozinha, Carr contou que passou a infância em Nova Orleans, mas que a família se mudou para Houston depois que a casa foi destruída pelo furacão Katrina.

'Não importa qual seja o desafio, você pode superá-lo. Nada é impossível', diz Walter Carr, dirigindo o carro que recebeu de presente. Luke Marklin, executivo da empresa de mudanças Bellhops, para quem Carr está trabalhando, dirigiu do Tennesse até o Alabama para encontrar o novo funcionário. Marklin conversou e tomou um café com Carr e entregou-lhe as chaves do próprio carro, um Ford Escape, ano 2014. Ao receber as chaves do carro, Carr emocionado, chorou copiosamente.

Uma vaquinha online lançada para ajudar Carr a consertar o carro chegou a juntar US$ 8 mil (R$ 30 mil) antes de ser fechada. Carr pretende se formar em dezembro, em um curso na área da saúde. Também tem planos de se juntar aos fuzileiros navais dos EUA e de estudar fisioterapia. Na segunda, ele disse a repórteres que estava grato por ter tido a oportunidade de trabalho. "Eu queria mostrar a eles que sou dedicado. Eu disse que iria chegar ao trabalho de uma forma ou de outra."

Fonte

Geral
Receita de pão mais antiga do mundo tem 14 mil anos

Pegue um pouco de farinha feita de trigo e cevada selvagem, adicione água, misture algumas raízes de plantas trituradas para dar sabor e asse. Segundo arqueólogos ingleses, essa é a receita de pão mais antiga do mundo. A massa era moldada em formato achatado e o sabor seria parecido com um pão multigrãos dos dias atuais, dizem os pesquisadores do University College of London. Encontrada na atual Jordânia, a receita data de 14 mil anos atrás. O registro mais antigo de algo similar havia sido achado na Turquia e tinha 9 mil anos.

Desse modo, há evidências fortes de que os humanos dominavam a panificação cinco mil anos antes do que os arqueólgos estimavam. De acordo com os cientistas, esse pão ázimo também era usado para enrolar a carne: assim sendo, os mesopotâmicos criaram também o primeiro sanduíche - um pão com carne rústico, por assim dizer. Em análise feita no microscópio, havia sinais de moagem, peneiramento - ou seja, um processo completo de panificação. O achado foi uma surpresa para os arqueólogos.

As populações que viviam há 14 mil anos naquela região da Jordânia onde foram achados os restos de pão viviam da caça e da coleta de frutas e cereais silvestres. Comiam gazelas e animais menores, como lebres e aves. Para os pesquisadores, o pão era uma comida para dias festivos e celebrações. Ainda de acordo com os cientistas ingleses, a fabricação do pão por essas populações mesopotâmicas pode ter impulsionado o desenvolvimento da agricultura, pela necessidade de cultivo desses cereais.

Fonte