Geral
Show dentro e fora de campo: senegaleses recolhem lixo após vitória sobre a Polônia

Além da vitória por 2 x 1 contra a Polônia, no encerramento da primeira rodada do grupo H da Copa do Mundo de 2018, nesta terça-feira (19), Senegal deu show também fora de campo. Num exemplo de civilidade, os torcedores senegaleses recolheram todo o lixo do setor da arquibancada onde estavam presentes no Spartak Stadium, em Moscou. Continue lendo...

Geral
Brasil tem a segunda população mais fora da realidade no mundo

A pesquisa global Perigos da Percepção 2017 compara opiniões da população com dados da realidade. Num ranking de 38 países, os brasileiros só ficam atrás dos sul-africanos. As informações foram comparadas com dados de fontes oficiais, resultando no ‘Índice da Percepção Equivocada’. O ranking aponta as distorções entre opiniões e realidade. Os piores resultados foram da África do Sul, do Brasil, Filipinas, Peru, e Índia. A Ipsos entrevistou 29,1 mil pessoas dos 38 países.Continue lendo...

Geral
Universidade dos EUA oferece bolsas de estudo para melhores jogadores de Fortnite

A Universidade de Ashland (EUA) anunciou que incluirá o jogo Fortnite em seu programa de bolsas de estudos de eSports. Os melhores jogadores ganham uma bolsa de US$ 4.000 da universidade e ainda vão representá-la em eventos e competições mundo afora. Além de Fortnite, a Universidade de Ashland já distribui bolsas para Overwatch, League of Legends, CS:GO e Rocket League. Fortnite está disponível para PC, Xbox One e PlayStation 4. Continue lendo...

Geral
Gol de Lozano contra a Alemanha causa terremoto no México

O gol de Hirving Lozano, aos 35 minutos do primeiro tempo contra a Alemanha, pela abertura do grupo F da Copa, gerou um abalo sísmico, um terremoto artificial na Cidade do México. A informação foi divulgada pelo Instituto de Investigações Geológicas e Atmosféricas da capital mexicana e mostra que a alteração sísmica se originou "de maneira artificial". Continue lendo...

Geral
Cristiano Ronaldo não tem tatuagens - e o motivo é muito nobre

Cristiano Ronaldo foi o nome do jogo entre Portugal e Espanha, disputado nesta sexta-feira (15), na estreia das seleções no grupo B da Copa do Mundo. Mas não é só dentro de campo que Ronaldo é craque. Muitos dos jogadores do Mundial tem tatuagens no corpo. Ronaldo, no entanto, não se deixa levar pela moda e nunca fez um desenho sequer no corpo. A escolha do português, porém, nada tem a ver com questões estéticas, e sim um outro motivo – que é bastante nobre, aliás. Continue lendo...

Geral
O Brasil tem maiores chances estatísticas de ganhar a Copa do Mundo, diz levantamento da The Economist

Em previsão divulgada neste sábado (16), a revista inglesa Economist prevê que o Brasil ganhará a Copa do Mundo de 2018. Segundo a publicação, o Brasil tem até 32% de chances de trazer a Copa do Mundo para casa. O Brasil estreia neste domingo pelo grupo E do Mundial contra a Suíça em Rostov. Costa Rica e Sérvia são as duas outras seleções da chave. Mas por quê é tão difícil prever resultados em futebol?

Para responder isso, a revista criou um modelo para a razão de um país ser bem-sucedido no futebol. “Analisamos dados históricos e dezenas de fatores que ajudam no sucesso de uma seleção”, explicou a revista. Um dos pontos analisados foi quantos jogadores potenciais um país tem, pela chance de revelar mais talentos. Neste quesito, a liderança é da Alemanha, com 16 milhões de jogadores potenciais, enquanto a Islândia ficou na lanterna, com apenas 32mil jogadores.

A popularidade do esporte foi outro fator que entrou no modelo da The Economist que usou as buscas do Google como parâmetro para mostrar a paixão do país pelo "jogo bonito". Os países africanos ficaram no topo da análise neste quesito, enquanto Índia e Paquistão, nos últimos lugares. Recursos financeiros foram também um ponto analisado - Alemanha, Inglaterra e Suíça saem na dianteira da Copa do Mundo deste ano nesse aspecto.

No entanto, existem alguns pontos "fora da curva": Croácia, Costa do Marfim e Uruguai. “O que os torna bons no futebol?”, questionou a revista. Para a Economist, os três países incentivam seus jogadores a serem criativos. Em segundo lugar, extensas redes de olheiros capturam jogadores talentosos. Por fim, eles exploram a rede global de know-how do futebol, tanto exportando jogadores para a Europa como trazendo os principais técnicos.

Fonte

Geral
Na Copa do Mundo socioeconômica, a Islândia seria campeã e o Brasil o último em seu grupo da Copa

Se a Copa do Mundo fosse disputada no campo socioeconômico, a grande campeã seria um pequenino país de 350 mil habitantes no norte da Europa: a Islândia. A ilha viking, que hoje empatou com a Argentina de Messi, tem a melhor qualidade de vida do mundo, segundo pesquisa do banco dinamarquês Saxo Bank. Na final, eles derrotariam os vizinhos dinamarqueses. Alemanha e Japão fariam a disputa de 3o e 4o lugares.

A classificação das seleções é baseada em três fatores: o mercado de ações e a economia seriam o ataque; a desigualdade seria o meio de campo; já o índice de pobreza seria a defesa de cada seleção. A Islândia ganharia a Copa do Mundo socioeconômica por seu baixo índice de desigualdade e pela pouca miséria, conforme mostram os dados do Saxo Bank.

Favoritos como Espanha, França, Argentina cairiam já na primeira fase. O Brasil faria ainda mais feio, ficando na lanterna do grupo E - que tem Suíça, Costa Rica e Sérvia. Steen Jakobsen, autor do estudo, reconhece a capacidade futebolística brasileira, mas aposta que a Seleção perderá para a Bélgica nas quartas de final.

Fonte

Geral
Os daltônicos sofreram para ver Rússia x Arábia Saudita

Quem é daltônico sofreu para assistir o jogo de abertura da Copa do Mundo de 2018, entre Rússia e Arábia Saudita, nesta quinta-feira (14). Resumidamente, os torcedores com essa alteração visual tiveram problemas para identificar os uniformes de russos e sauditas.

Pessoas com daltonismo, também conhecido como discromatopsia, têm a percepção alterada de algumas cores - principalmente verde, vermelho e azul. Como as camisas das seleções do jogo de estreia da Copa são vermelha e verde, muitos daltônicos só reconheceram os times pelos calções: os russos usavam calções brancos.

Fonte

Geral
Você sabe tudo sobre a Copa do Mundo? Veja 7 curiosidades sobre o Mundial

A bola já está rolando em terras russas. Na abertura da Copa do Mundo, nesta quinta-feira (14), a Rússia aplicou 5 x 0 na Arábia Saudita, em Moscou. Na sexta-feira, acontece o outro jogo da primeira rodada do grupo A, Uruguai x Egito e dois jogos do grupo B: Irã x Marrocos e Espanha x Portugal - esse último, candidato a ser um dos melhores jogos da 1a fase da Copa. Enquanto os times esquentam os motores, vamos ver o que você sabe sobre a Copa do Mundo.

A Copa do Mundo é realizada desde 1930, de quatro em quatro anos - com um hiato no período da segunda guerra mundial, que suspendeu as competições de 1942 e 1946. A Copa de 2018 é a 21a edição do torneio.

La vêm eles de novo: A Alemanha é a seleção que mais marcou gols na história das Copas: 224 tentos. O Brasil vem logo em seguida, com 221 gols. Em 20 edições, foram marcados 2379 gols, média de 2,84 gols por partida.

Brasil e Alemanha, por serem recordistas em participações, são as seleções que mais disputaram jogos de Copa do Mundo. Em 20 participações, o Brasil jogou 104 partidas; a Alemanha, com 18 participações disputou 106 jogos.

Os cartões amarelo e vermelho são uma novidade recente na Copa do Mundo: foram adotados na Copa de 1970, no México. Até a Copa de 1966, disputada na Inglaterra, as advertências do juiz eram verbais.

Desde então, foram aplicados 2,2 mil cartões, média de 3,27 por jogo - maior que a média de gols por partida. A campeã de cartões amarelos recebidos é a Argentina, com 120 advertências.

A Copa de 2006, na Alemanha, foi recordista em cartões vermelhos: 28 - só no jogo Portugal x Holanda foram 4 expulsões. Apenas as edições de 1930, no Uruguai e de 1950, no Brasil, não tiveram jogadores expulsos. O Brasil é recordista em expulsões: 11 vermelhos em 20 edições.

O recorde de público em um jogo da Copa do Mundo é da final de 1950, entre Brasil e Uruguai: 174 mil pessoas estavam presentes no Maracanã. Para se ter ideia, apenas 167 dos 5600 municípios brasileiros tem população maior do que o público desse jogo!

Fonte