Instagram

Sexo é benéfico para a saúde, pesquisas apontam que a pratica pode se relacionar ao bom humor e a uma melhor qualidade de vida. Agora, um estudo feito pela mostrou que a receita para uma vida mais longa é fazer sexo, ou seja, quanto mais transarmos, mais tempo teremos de vida.

Na primeira fase do estudo, 918 homens residentes da aldeia galesa, Caerphilly, com 45 a 59 anos de idade foram entrevistados por pesquisadores ingleses sobre seus hábitos sexuais. Uma década depois, estes mesmos homens responderam a uma série de perguntas sobre a frequência em que transavam.

Os pesquisadores concluíram que, homens que faziam sexo ao menos duas vezes por semana reduziram suas taxas de mortalidade pela metade.

A segunda fase do estudo contou com a participação de 129 mulheres com idades entre 20 e 50 anos. Elas responderam perguntas sobre suas vidas amorosas e o quanto elas estavam satisfeitas.

Após análise biológica, os cientistas descobriram que as mulheres que faziam mais sexo e tinham uma vida amorosa satisfatória, apresentavam maiores telômeros, uma espécie de "capa" que protege os cromossomos, fazendo com que tenhamos um aumento em nossa expectativa de vida.

Por que o sexo prolongaria a vida? Existem múltiplas explicações possíveis segundo os cientistas: sexo frequente significa um relacionamento íntimo. Muitos estudos mostram que laços pessoais próximos aumentam a saúde e prolongam a longevidade.

Fontes 1, 2 e 3

Instagram
Qual a chance de ganhar na Mega da Virada?

0,6% é a possibilidade de a Mega-Sena da Virada ter um único apostador premiado, levando em consideração que o volume de apostas é de 350 milhões de bilhetes, similar ao ocorrido em 2015 e 2016. De acordo com um estudo da Escola de Matemática Aplicada da Fundação Getulio Vargas (FGV EMAp), a probabilidade maior é que o prêmio de R$ 200 milhões seja dividido entre seis ou sete vencedores. Continue lendo...

Instagram

“Então é Natal, e o que você fez?”, canta a cantora Simone em seu álbum totalmente dedicado ao Natal tocado na íntegra mais de 12 vezes ao longo da ceia...

As tradicionais músicas de Natal podem ter um efeito bastante negativo sobre as pessoas. O problema, é claro, não são as músicas em si. A repetição excessiva das mesmas músicas, porém, pode levar a fadiga cognitiva e stress.

Victoria Williamson, da Universidade de Londres, conduziu uma pesquisa que descobriu que o apreço pelas músicas natalinas cresce no início da época. À medida que as pessoas continuam ouvindo as mesmas músicas, o prazer em ouvir vai caindo, causando stress.

“Qualquer pessoa que já tenha trabalhado em uma loja durante o período do Natal vai saber do que estou falando”, diz Williamson.

Williamsom explica que o impacto das músicas natalinas depende do estado mental anterior à música. Ela explica que muitas pessoas encaram problemas nessa época, o que já diminui a predisposição a gostar dessas canções.

A falta de dinheiro para comprar um presente para um familiar querido ou a pressão de viajar ou fazer algo de proveitoso acabam por criar uma pressão. A combinação das músicas às preocupações acaba por aumentar a fadiga mental.

Uma pesquisa da Consumer Reports, publicação de varejo americana, descobriu que 23% dos americanos via nas músicas natalinas o pior lado da data. Outro estudo, realizada no Canadá por uma empresa de pesquisas, viu que 36% dos entrevistados admitiam deixar uma loja antes do que precisavam por conta da trilha natalina.

Fonte

Instagram

Já reparou que dezembro é um mês cheio de coisas estressantes?

O trabalho a mil por hora e você querendo desacelerar nas folgas do período de festas, contas e mais contas para pagar, estradas abarrotadas de carros, shoppings dando na tampa de tanta gente, aeroportos congestionados... ufa!Continue lendo...