Geral
O Brasil tem maiores chances estatísticas de ganhar a Copa do Mundo, diz levantamento da The Economist

Em previsão divulgada neste sábado (16), a revista inglesa Economist prevê que o Brasil ganhará a Copa do Mundo de 2018. Segundo a publicação, o Brasil tem até 32% de chances de trazer a Copa do Mundo para casa. O Brasil estreia neste domingo pelo grupo E do Mundial contra a Suíça em Rostov. Costa Rica e Sérvia são as duas outras seleções da chave. Mas por quê é tão difícil prever resultados em futebol?

Para responder isso, a revista criou um modelo para a razão de um país ser bem-sucedido no futebol. “Analisamos dados históricos e dezenas de fatores que ajudam no sucesso de uma seleção”, explicou a revista. Um dos pontos analisados foi quantos jogadores potenciais um país tem, pela chance de revelar mais talentos. Neste quesito, a liderança é da Alemanha, com 16 milhões de jogadores potenciais, enquanto a Islândia ficou na lanterna, com apenas 32mil jogadores.

A popularidade do esporte foi outro fator que entrou no modelo da The Economist que usou as buscas do Google como parâmetro para mostrar a paixão do país pelo "jogo bonito". Os países africanos ficaram no topo da análise neste quesito, enquanto Índia e Paquistão, nos últimos lugares. Recursos financeiros foram também um ponto analisado - Alemanha, Inglaterra e Suíça saem na dianteira da Copa do Mundo deste ano nesse aspecto.

No entanto, existem alguns pontos "fora da curva": Croácia, Costa do Marfim e Uruguai. “O que os torna bons no futebol?”, questionou a revista. Para a Economist, os três países incentivam seus jogadores a serem criativos. Em segundo lugar, extensas redes de olheiros capturam jogadores talentosos. Por fim, eles exploram a rede global de know-how do futebol, tanto exportando jogadores para a Europa como trazendo os principais técnicos.

Fonte

Geral
Na Copa do Mundo socioeconômica, a Islândia seria campeã e o Brasil o último em seu grupo da Copa

Se a Copa do Mundo fosse disputada no campo socioeconômico, a grande campeã seria um pequenino país de 350 mil habitantes no norte da Europa: a Islândia. A ilha viking, que hoje empatou com a Argentina de Messi, tem a melhor qualidade de vida do mundo, segundo pesquisa do banco dinamarquês Saxo Bank. Na final, eles derrotariam os vizinhos dinamarqueses. Alemanha e Japão fariam a disputa de 3o e 4o lugares.

A classificação das seleções é baseada em três fatores: o mercado de ações e a economia seriam o ataque; a desigualdade seria o meio de campo; já o índice de pobreza seria a defesa de cada seleção. A Islândia ganharia a Copa do Mundo socioeconômica por seu baixo índice de desigualdade e pela pouca miséria, conforme mostram os dados do Saxo Bank.

Favoritos como Espanha, França, Argentina cairiam já na primeira fase. O Brasil faria ainda mais feio, ficando na lanterna do grupo E - que tem Suíça, Costa Rica e Sérvia. Steen Jakobsen, autor do estudo, reconhece a capacidade futebolística brasileira, mas aposta que a Seleção perderá para a Bélgica nas quartas de final.

Fonte

Geral
Os daltônicos sofreram para ver Rússia x Arábia Saudita

Quem é daltônico sofreu para assistir o jogo de abertura da Copa do Mundo de 2018, entre Rússia e Arábia Saudita, nesta quinta-feira (14). Resumidamente, os torcedores com essa alteração visual tiveram problemas para identificar os uniformes de russos e sauditas.

Pessoas com daltonismo, também conhecido como discromatopsia, têm a percepção alterada de algumas cores - principalmente verde, vermelho e azul. Como as camisas das seleções do jogo de estreia da Copa são vermelha e verde, muitos daltônicos só reconheceram os times pelos calções: os russos usavam calções brancos.

Fonte

Geral
Você sabe tudo sobre a Copa do Mundo? Veja 7 curiosidades sobre o Mundial

A bola já está rolando em terras russas. Na abertura da Copa do Mundo, nesta quinta-feira (14), a Rússia aplicou 5 x 0 na Arábia Saudita, em Moscou. Na sexta-feira, acontece o outro jogo da primeira rodada do grupo A, Uruguai x Egito e dois jogos do grupo B: Irã x Marrocos e Espanha x Portugal - esse último, candidato a ser um dos melhores jogos da 1a fase da Copa. Enquanto os times esquentam os motores, vamos ver o que você sabe sobre a Copa do Mundo.

A Copa do Mundo é realizada desde 1930, de quatro em quatro anos - com um hiato no período da segunda guerra mundial, que suspendeu as competições de 1942 e 1946. A Copa de 2018 é a 21a edição do torneio.

La vêm eles de novo: A Alemanha é a seleção que mais marcou gols na história das Copas: 224 tentos. O Brasil vem logo em seguida, com 221 gols. Em 20 edições, foram marcados 2379 gols, média de 2,84 gols por partida.

Brasil e Alemanha, por serem recordistas em participações, são as seleções que mais disputaram jogos de Copa do Mundo. Em 20 participações, o Brasil jogou 104 partidas; a Alemanha, com 18 participações disputou 106 jogos.

Os cartões amarelo e vermelho são uma novidade recente na Copa do Mundo: foram adotados na Copa de 1970, no México. Até a Copa de 1966, disputada na Inglaterra, as advertências do juiz eram verbais.

Desde então, foram aplicados 2,2 mil cartões, média de 3,27 por jogo - maior que a média de gols por partida. A campeã de cartões amarelos recebidos é a Argentina, com 120 advertências.

A Copa de 2006, na Alemanha, foi recordista em cartões vermelhos: 28 - só no jogo Portugal x Holanda foram 4 expulsões. Apenas as edições de 1930, no Uruguai e de 1950, no Brasil, não tiveram jogadores expulsos. O Brasil é recordista em expulsões: 11 vermelhos em 20 edições.

O recorde de público em um jogo da Copa do Mundo é da final de 1950, entre Brasil e Uruguai: 174 mil pessoas estavam presentes no Maracanã. Para se ter ideia, apenas 167 dos 5600 municípios brasileiros tem população maior do que o público desse jogo!

Fonte

Instagram

A Copa do Mundo no Brasil em 2014, a "Copa das Copas", passou deixando a história do futebol mundial muito mais rica depois de partidas memoráveis e inesquecíveis como o jogo do dia 8 de julho, no qual a Seleção Brasileira sofreu a famosa derrota de 7 a 1 para o time da Alemanha, em Belo Horizonte. Mas o "7 a 1" não ficou só dentro do Mineirão.

Dezenas de obras planejadas para o mundial de futebol de 2014 continuam não concluídas em 10 das 12 cidades que sediaram jogos naquele ano. Baseada em dados de governos estaduais, prefeituras e da Controladoria-Geral da União (CGU), a BBC News Brasil encontrou pelo menos 41 obras ainda inacabadas, paralisadas ou mesmo abandonadas sem previsão de serem retomadas.

As obras inacabadas são na maioria viárias e de mobilidade urbana: viadutos, ampliação de avenidas, trens de superfície (VLTs) e corredores de ônibus (BRTs). Há também três aeroportos cujas obras de ampliação ainda não foram concluídas, nas cidades de Salvador (BA), Cuiabá (MT) e Belo Horizonte (MG).

São Paulo e Rio de Janeiro não entram na lista porque concluíram, mesmo que com atraso, as obras prometidas. A obra da linha 17 do metrô na capital paulista, um monotrilho que ligaria o aeroporto de Congonhas ao estádio do Morumbi segue em construção até hoje, porém com a construção do Itaquerão como estádio-sede do evento, a obra saiu dos itens prometidos para 2014.

A pesquisa da BBC News Brasil leva em conta tanto as obras que estavam na Matriz quanto aquelas que foram prometidas por prefeituras e governos para a Copa de 2014 - mesmo as que não integraram o documento, ou foram removidas da versão final.

Clique aqui para ver a lista com as 41 obras inacabadas.

Fonte

Geral
O Walmart patenteou uma abelha-robô para polinizar campos agrícolas

O Walmart acaba de registrar uma patente para abelhas-robôs. Sim o Walmart. A patente da varejista cobre especificamente “drones de polinização”. A ideia é usar esses robõs para polinizar culturas de forma autônoma. As abelhas-robôs operariam usando sensores e câmeras para ajudá-las a navegar para as plantações. Segundo a empresa, eles seriam tão eficazes quanto uma abelha real.

Esta não é a única patente agrícola apresentada pelo Walmart. Segundo o site CB Insights, a empresa tem outras cinco patentes de drones agrícolas. Eles fazem de tudo, desde monitorar plantações até pulverizar pesticidas. O uso robôs na agricultura pode reduzir custos, aumentando a eficiência do setor Mas por que o Walmart?

Muitas lojas do Walmart transportam produtos, então, é possível que a empresa esteja procurando obter mais controle sobre os alimentos que está vendendo. Isso parece uma boa explicação, uma vez que o Walmart decidiu expandir seu serviço de entrega de supermercado, permitindo que os compradores aceitem ou rejeitem produtos. Assim, o Walmart precisará aumentar a qualidade de seus produtos.

Enquanto isso, as populações de abelhas estão morrendo e não podemos mais considerar a polinização natural garantida. Essas pequenas criaturas são fundamentais para a agricultura e da comida que comemos. Enquanto os cientistas trabalham para entender melhor as populações em declínio dos polinizadores, esse robôs do Walmart poderiam manter a agricultura e os produtos frescos vivos.

Fonte

Instagram

Se você fala 'obrigado' toda vez que é ajudado em seu dia a dia, você faz parte das raras pessoas que fazem isso. Um estudo publicado no Royal Society Open Science mostrou que agradecer após alguém fazer algo é mais raro do que se imagina. Os pesquisadores acreditam que isso se trata mais de tradições linguísticas do que grosseria.

Para chegar nesta conclusão os pesquisadores analisaram 1.057 conversas gravadas por câmeras e microfones na casa de pessoas em reuniões de familiares e amigos, em diferentes localidades do Mundo. As conversas foram feitas em oito idiomas, incluindo cha'palaa no Equador, siwu em Gana, lao em Laos, polonês, russo, murrinh-patha na Austrália, italiano e inglês. A média de agradecimento foi de 1 em 20 ocasiões. Em todas as conversas, as pessoas eram solícitas em ajudar o próximo. Mas enquanto cooperar foi regra, expressar gratidão não. A palavra 'obrigado' apareceu mais no idioma inglês (14,5% das vezes) e no italiano (13,5%). Em polonês e siwu, porém, quase não apareceu. Já no idioma cha'palaa não há a palavra obrigado.

"Isso não significa que as pessoas são universalmente rudes, nem que aqueles que falam inglês são menos grosseiros do que aqueles que falam outras línguas. Nós não devemos medir o ato de gratidão com o ato de expressar isso", explicou o pesquisador chefe do estudo Nick Enfield, da Universidade de Sydney. "Nas interações informais diárias no mundo inteiro, a norma geral é responder a cooperação de alguém sem dizer explicitamente obrigado, mas simplesmente continuar com as tarefas do outro", explicam os pesquisadores. "Na verdade, cooperação é a regra: é da nossa natureza pedir ajuda e pagar de volta em bondade, em vez de em palavras. Há um acordo intrínseco de que as pessoas vão cooperar umas com as outras", finaliza Enfield.

Fonte

Geral
Discretamente, uma lei da física controla a sua vida - e pode melhorá-la

Muitas vezes, a gente se pergunta porque as coisas são como são. Um rio faz muitas curvas para chegar à sua foz, um cacto se adapta para viver em ambientes áridos. Segundo Adrian Bejan, professor de Engenharia Mecânica da Universidade de Duke (EUA) diz que há uma lei que rege o movimento de todas as coisas - sejam elas animadas ou inanimadas. Teorias existem aos milhares mas leis físicas são poucas: elas precisam explicar um fenômeno universal.

A inspiração surgiu quando Bejan ele desenhava um sistema de refrigeração de notebooks. Ele nomeou sua descoberta de Lei Construcutal, em 1996. Para, para deixá-la mais acessível ao público, ele escreveu um livro chamado A Física da Vida, a Lei que rege tudo, publicado em 2016. Para Bejan, qualquer movimento, seja uma corrente migratória de pássaros ou uma rede de computadores, sempre avança rumo a uma maior eficácia.

Para ele, isso também pode ser aplicado à estrutura do cérebro e aos pensamentos - e isso pode ajudar a melhorar a sua vida. Se uma dinâmica funciona melhor quanto mais fluida e livre for, um bom lema de vida poderia ser: "não pare". Da mesma forma, a inação deteria esse processo de otimização natural. Que tal experimentar a lei criada pelo cientista americano?

Fonte

Instagram

6 mil pessoas de 33 países diferentes foram pesquisadas pelo site de compras on-line Picodi.com e segundo dados, o brasileiro é um dos consumidores que mais aproveitam o Dia dos Namorados para presentear seus "amores". Pelo menos 82% curtem comemorar a data, enquanto outros 18% recusam qualquer forma de celebração.

Na pesquisa descobriu-se quais os presentes mais odiados entre os consumidores e 'Urso de pelúcia' foi unânime para homens e mulheres. Mas calma! A pesquisa também revelou quais os presentes desejados, confira:

  • Para mulheres: um jantar no restaurante, viagem, perfumes, jóias e flores.
  • Para homens: um jantar no restaurante, roupas, eletrônicos, viagem e perfumes.

Fonte

Geral
Brasil desperdiça 41 mil toneladas de comida por dia. Adivinha quem é o vilão?

Pesquisa feita pela ONU sobre desperdício de alimentos no Brasil mostra que 61% dos brasileiros descartam, toda semana, um ou dois alimentos em perfeito estado. Quase metade (49%) dos entrevistados faz isso todos os dias. O vilão do desperdício, segundo o estudo feito com mil brasileiros de 18 a 64 anos, é a geladeira.

Isso ocorre por causa da chamada “cegueira da geladeira”: hábito de não ver ou ignorar alimentos após colocá-lo no refrigerador. Muitos olham para a geladeira, mas não sabem o que cozinhar (78%). Outros vilões são comprar comida além do necessário (54%), adquirir opções para satisfazer o gosto de diferentes membros da família (37%) e compra de alimentos por teste, que acabam não agradando (31%).

Os alimentos mais desperdiçados são os perecíveis, como saladas (74%), vegetais (73%) e frutas (73%). Cheiro e aparência (85%) e prazo de validade expirado (83%) são os critérios mais usados para jogar comida fora. Segundo a ONU, no Brasil, são descartadas 41 mil toneladas todos os dias, o que daria para alimentar 25 milhões de pessoas por dia.

Fonte